IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA

A coleta seletiva solidária de resíduos representa uma abordagem sustentável e inclusiva para o manejo de lixo. Ao separar recicláveis, não só preservamos recursos naturais, mas também apoiamos catadores, proporcionando-lhes uma fonte de renda justa e digna, enquanto educamos a comunidade sobre a importância da reciclagem para a proteção ambiental e o desenvolvimento social.
O que é Coleta Seletiva Solidária? Etapas da implementação da Coleta Seletiva Solidária; Como dar Sustentabilidade Social à Coleta Seletiva Solidária; O planejamento da operação; A sensibilização dos servidores. Entenda como fazer de forma eficiente.

COMPARTILHE

A coleta seletiva solidária representa uma abordagem inovadora e sustentável para o gerenciamento de resíduos, mas sua ausência pode acarretar sérios problemas ambientais, sociais e econômicos. Sem ela, grandes volumes de resíduos recicláveis são descartados inadequadamente, contribuindo para a poluição do solo, da água e do ar. Essa prática também gera perda de materiais valiosos que poderiam ser reutilizados, além de sobrecarregar aterros sanitários. Do ponto de vista social, a inexistência de programas de coleta seletiva solidária priva muitas famílias de catadores de uma fonte de renda digna e segura, perpetuando ciclos de pobreza e exclusão.

Por outro lado, a implementação da coleta seletiva solidária abre um leque de oportunidades. Ela promove a economia circular, onde os materiais são reciclados e reutilizados, reduzindo a necessidade de extração de recursos naturais. Isso não apenas minimiza o impacto ambiental, mas também gera empregos e impulsiona a economia local. Além disso, essa prática envolve diretamente as comunidades, especialmente os catadores de materiais recicláveis, proporcionando-lhes uma fonte de renda mais estável e reconhecimento social. A coleta seletiva solidária também tem um efeito educativo, aumentando a conscientização sobre a importância da reciclagem e da responsabilidade ambiental entre os cidadãos.

A transição para um sistema de coleta seletiva solidária requer planejamento e colaboração entre diversos setores da sociedade. É essencial o envolvimento do governo, empresas privadas, ONGs e a comunidade em geral. Políticas públicas eficazes e incentivos para empresas que adotam práticas sustentáveis são fundamentais. Educação e conscientização da população sobre a importância da segregação e do descarte correto dos resíduos são igualmente cruciais. Além disso, é necessário investir na infraestrutura de coleta e reciclagem, bem como garantir condições de trabalho seguras e justas para os catadores. Essa transição não apenas melhora o gerenciamento de resíduos, mas também promove justiça social e desenvolvimento sustentável.

Especializar-se em gerenciamento de resíduos sólidos com uma visão internacional amplia horizontes profissionais. Com as questões ambientais sendo cada vez mais globais, profissionais com expertise internacional podem oferecer soluções inovadoras e alinhadas com as melhores práticas internacionais, abrindo portas para oportunidades em diversos países e organizações.
A especialização em gerenciamento de resíduos sólidos com uma visão internacional é essencial para enfrentar desafios globais. As questões ambientais não conhecem fronteiras, e profissionais capacitados para lidar com cenários diversos são valorizados em empresas multinacionais, governos e organizações internacionais. A expertise global abre portas para carreiras promissoras e impacto positivo no meio ambiente.

O que é Coleta Seletiva Solidária?

A coleta seletiva solidária é um modelo de gestão de resíduos que combina aspectos ambientais e sociais. Essa abordagem envolve a separação e coleta de materiais recicláveis, como papel, plástico, vidro e metal, de maneira a facilitar a reciclagem e reutilização desses materiais. O aspecto “solidário” da coleta seletiva é o que a distingue: ela procura integrar e beneficiar grupos sociais vulneráveis, especialmente catadores de materiais recicláveis, muitas vezes organizados em cooperativas ou associações.

A coleta seletiva solidária é uma prática sustentável que busca beneficiar tanto o meio ambiente quanto grupos sociais marginalizados, promovendo um gerenciamento de resíduos mais responsável e inclusivo.

Neste modelo, os catadores recebem suporte para coletar, separar e vender materiais recicláveis de forma digna e eficiente. Isso não só proporciona uma fonte de renda para esses indivíduos e suas famílias, mas também ajuda a promover sua inclusão social e econômica. Além disso, a coleta seletiva solidária tem um impacto ambiental positivo significativo, pois reduz a quantidade de resíduos enviados para aterros sanitários e contribui para a economia circular, minimizando a necessidade de novos recursos naturais para produção de novos produtos.

Etapas da implementação da Coleta Seletiva Solidária

O Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome do Brasil  desenvolveu uma cartilha que versa sobre a implantação da Coleta Seletiva Solidária, Decreto 5.940/06, nos órgãos públicos federais.

Empresas adotando a coleta seletiva solidária de resíduos demonstram compromisso ambiental e social. Esse modelo não apenas reduz o impacto ambiental por meio da reciclagem, mas também apoia catadores, integrando-os economicamente e promovendo a inclusão social. É uma prática corporativa que reflete responsabilidade e consciência, fortalecendo a imagem da empresa como sustentável e socialmente responsável.
A implementação da coleta seletiva solidária nas empresas vai além da gestão ambiental eficiente. Ela cria uma ponte entre o setor corporativo e comunidades locais, beneficiando catadores de resíduos. Essa prática demonstra liderança e inovação social, transformando resíduos em recursos e pessoas em agentes de mudança para um futuro mais sustentável.

Para facilitar a implantação da coleta pelos diferentes órgãos e instituições, sejam eles das esferas federais, estaduais e municipais, elencamos as etapas do guia abaixo.

Segundo a cartilha, para implementar a coleta, primeiramente os órgãos e instituições devem formar uma Comissão da Coleta Seletiva. Esta comissão deve ser formada por servidores que se interessem pelo tema e deve ter a participação das diversas áreas e setores do órgão. A comissão é responsável pelo planejamento da implantação e monitoramento da Coleta Seletiva e também pela interlocução com a organização de catadores.

Após formada a Comissão esta deverá realizar um levantamento de dados sobre a situação da gestão dos resíduos no local de trabalho, buscando conhecer todos os tipos e quantidades de resíduos gerados. Além das quantidades e tipos, o diagnóstico deve identificar os locais dos equipamentos geradores de resíduos utilizados (máquinas fotocopiadoras, impressoras, etc.), a logística interna de recolhimento pelos empregados dos serviços gerais, ou seja, como e onde o lixo é acondicionado e recolhido e se há algum sistema de recolhimento e destinação de recicláveis já implantado.

Também é importante identificar o volume e recursos gastos na compra de materiais de consumo, tais como: papéis brancos, sacos plásticos, copos descartáveis, cartuchos de impressoras, lâmpadas, CD, disquetes e outros, a fim de avaliar o comprometimento ambiental dos fabricantes e possibilidades de redução na compra após a implantação do programa.

Como dar Sustentabilidade Social à Coleta Seletiva Solidária

A comissão deve identificar ainda quais cooperativas ou associações têm interesse e capacidade de coletar os materiais selecionados.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos reconhece catadores como pilares da sustentabilidade. Em Brasília, a cooperativa Recicla+ exemplifica essa visão, fortalecendo a reciclagem, gerando empregos e promovendo a conscientização ambiental.
Os catadores têm papel fundamental na PNRS, reduzindo impactos ambientais. A cooperativa Recicla+ em Brasília mostra como a organização fortalece a coleta seletiva, beneficiando a comunidade e preservando o meio ambiente.

O contato com as organizações de catadores ajuda a identificar os tipos de materiais recicláveis que poderão ser absorvidos pelo mercado local. No caso dos órgãos federais abrangidos pelo Decreto 5.940/06 o diagnóstico deve incluir a identificação das cooperativas ou associações de catadores que atendem aos critérios do previstos no decreto.

As cooperativas e associações selecionadas devem:

  • Estar formal e exclusivamente constituída por catadores de materiais recicláveis que tenham a catação como forma única de renda;
  • Não possuir fins lucrativos;
  • Possuir infra-estrutura para realizar a triagem e a classificação dos resíduos recicláveis descartados; e
  • Possuir sistema de rateio entre os associados e cooperados.

Alguns órgãos e instituições, entretanto, podem encontrar dificuldades por não haver em suas cidades cooperativa ou associação de catadores. Nesses casos recomendamos que haja um engajamento do poder público para financiar, tanto tecnicamente quanto financeiramente, os catadores autônomos para que estes formem cooperativas capazes de recolher os resíduos gerados. Outra alternativa é a associação com outros órgãos públicos e privados para enviar os resíduos gerados para alguma cidade próxima que possua um centro de triagem.

O planejamento da operação

Depois de realizado o levantamento de dados deve ser definida a logística da coleta seletiva a ser implantada no órgão, ou seja, planejar a sua operacionalização. Na operacionalização deve-se considerar os dados levantados como os locais disponíveis para armazenamento, os recursos disponíveis para aquisição de coletores de recicláveis e contêineres, a capacidade de coleta das cooperativas e também os tipos de materiais negociados no mercado local, e definir quais serão os materiais a serem separados.

A logística da coleta inclui ainda:

  • Estabelecer o fluxo, forma e frequência de recolhimento interno dos materiais recicláveis;
  • Prever a forma e local de armazenamento do material reciclável até que seja coletado;
  • Definir locais para a disposição de coletores para recolhimento de materiais, como por exemplo, mesas de trabalho, ilhas de impressão, máquinas fotocopiadoras, recepção e copa, e demais locais geradores de materiais recicláveis e fluxo de pessoas;
  • Estabelecer tarefas específicas e rotinas necessárias nas diversas etapas da operacionalização do projeto – recolhimento interno, armazenamento, pesagem, controle, entrega dos materiais e coleta dos recicláveis.

A comissão deve elaborar um cronograma de implantação e providenciar os equipamentos e materiais necessários para operacionalizar a coleta seletiva: sacos plásticos ou coletores em cores diferenciadas, cestas/caixas de coleta de papel, coletores de copos descartáveis; fragmentadora de papéis sigilosos e balança para a pesagem do material, dentre outros.

A sensibilização dos servidores

Outra atividade importante que deve ser realizada no momento da efetiva implantação da coleta, que ocorre com a distribuição de coletores e contêineres é a sensibilização dos servidores. Portanto, o planejamento deve ser cuidadoso, prevendo materiais educativos e de comunicação para os servidores, além de atividades educativas tais como: mostras de vídeo, depoimentos de catadores e de funcionários de outros órgãos com experiência na coleta seletiva, visitas a cooperativas de catadores e aterros sanitários, concursos culturais e palestras sobre o tema.

Após a implementação devem ser feitas vistorias e avaliações periódicas para verificação do cumprimento das rotinas estabelecidas para a seleção, coleta e destinação dos materiais, observando os procedimentos requeridos para garantir o sigilo dos documentos e também verificando eventuais focos de desperdícios.

É necessário também elaborar instrumentos de controle e registro de pesagem do material coletado. Esse instrumento pode ser uma planilha ou formulário simples, contendo a data, as quantidades de recicláveis em kg e o responsável pelo registro das informações.

A comissão deve se reunir mensalmente para realizar a avaliação da coleta identificando os facilitadores e dificultadores do processo, a fim de reformular as estratégias e redirecionamento das ações quando necessário.

Abaixo, o vídeo da Universidade de Brasília sobre coleta seletiva

Você sabia ?

  • Uma enorme quantidade de catadores, inclusive crianças, ainda participa das ações de coleta nos lixões à céu aberto? Evitar essa exclusão social é ação decisiva para o resgate da cidadania.
  • Quanto mais desenvolvida a sociedade, mais resíduos sólidos por habitante são por ela produzidos?
  • A média de resíduos produzidos pelos suíços chega a 1,7 kg/dia/habitante, Em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, a média diária chega a superar 1 kg/dia/habitante.
  • O lixo adequadamente manuseado pode produzir riquezas na forma de energia, produtos reciclados, com uma enorme economia no que se refere à extração de matéria-prima.
  • No Brasil apenas 2% do lixo é reciclado enquanto que nos EUA e na união Européia a reciclagem chega a 40% do total descartado.

Fonte: Agenda Ambiental na Administração Pública – Ministério do Meio Ambiente do Brasil

Descubra o mundo da gestão de resíduos com a VirapuruFlix! Acesse cursos e mentorias exclusivos sobre reciclagem, tratamento de resíduos e sustentabilidade. Ideal para empresários e ambientalistas que buscam inovar e liderar no mercado verde.
Amplie seu conhecimento em resíduos sólidos com a VirapuruFlix. Com conteúdo técnico avançado, é perfeito para acadêmicos e profissionais do setor ambiental. Assine e mantenha-se atualizado com as melhores práticas e tecnologias!
Picture of Gleysson B. Machado

Gleysson B. Machado

Sou especialista em transformar problemas ambientais em negócios sustentáveis. Formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios
Agora é a sua vez. Você acha que consegue contribuir com o conteúdo acima? Deixe seu comentário!

NOSSOS CURSOS

LEIA TAMBÉM

Resíduos orgânicos: Restos de alimentos e podas de jardim são comuns na administração pública, exigindo compostagem para redução de impactos ambientais.
Aspectos Ambientais
Gleysson B. Machado

PRINCIPAIS RESÍDUOS GERADOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Quais são os principais resíduos gerados na administração pública? Como fazer a gestão adequada dos resíduos gerados na administração pública? Quais são as melhores práticas para a destinação ambientalmente adequada dos resíduos na administração pública? Quais são as políticas públicas e legislações relacionadas aos resíduos na administração pública? Quais são as soluções inovadoras e sustentáveis para reduzir a geração de resíduos na administração pública?

veja Mais »
Parcerias Público-Privadas
Aspectos Legais
Gleysson B. Machado

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

PPPs são fundamentais para modernizar infraestruturas, utilizando investimentos privados para melhorar serviços públicos. Essas parcerias podem acelerar projetos essenciais, desde estradas até hospitais, beneficiando a sociedade como um todo.

veja Mais »
O licenciamento ambiental é um processo legal obrigatório no Brasil para a autorização de atividades ou empreendimentos que possam causar impacto ao meio ambiente. Ele envolve a avaliação dos impactos ambientais, a definição de medidas mitigadoras e monitoramento contínuo, garantindo que projetos sejam desenvolvidos de forma sustentável e em conformidade com as normativas ambientais.
Aspectos Ambientais
Gleysson B. Machado

A HISTÓRIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Como começou a história do licenciamento ambiental; O primeiro ato na história do licenciamento ambiental; O nascimento da Avaliação de Impactos Ambientais (AIA); A instituição do Licenciamento Ambiental no Brasil

veja Mais »