DEFINIÇÕES DA LEI BR-12.305/2010

DEFINIÇÕES DA LEI BR-12.305/2010, entenda as definições para não cometer erros desnecessários em reuniões importantes

COMPARTILHE

DEFINIÇÕES DA LEI BR-12.305/2010. As definições estabelecidas na Lei 12.305/2010 (Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS) são de extrema importância, pois fornecem os parâmetros e conceitos fundamentais para a correta interpretação e aplicação da legislação. Essas definições esclarecem termos e conceitos-chave relacionados aos resíduos sólidos, criando uma base sólida para a implementação das diretrizes e objetivos da lei.

Ao definir termos como “resíduos sólidos”, “logística reversa”, “geradores de resíduos” e outros conceitos pertinentes, a lei evita ambiguidades e interpretações diversas, proporcionando uma compreensão clara e uniforme a todos os envolvidos. Isso é essencial para que governos, empresas, instituições e a sociedade em geral possam agir de acordo com as normas estabelecidas, garantindo a efetividade das ações voltadas à gestão adequada dos resíduos sólidos.

Além disso, as definições ajudam a evitar lacunas ou brechas legais, tornando a legislação mais sólida e eficaz na resolução dos problemas relacionados aos resíduos sólidos. Também permitem que os órgãos reguladores e fiscalizadores entendam melhor suas atribuições e possam exercer seus papéis de forma mais precisa e eficiente. Outra relevância das definições é na promoção da conscientização da população sobre a importância da gestão adequada dos resíduos sólidos. Ao estabelecer terminologias claras e acessíveis, a lei facilita a divulgação de informações e ações educativas, tornando mais fácil o entendimento dos cidadãos sobre seus deveres e direitos em relação ao tema.

Quais são as DEFINIÇÕES DA LEI BR-12.305/2010

A Política Nacional de Resíduos Sólidos brasileira, sancionada em 2010 trouxe inúmeras inovações oriundas de experiências internacionais para o Brasil. Uma das vantagens de se trabalhar dessa forma é a economia de recursos financeiros e de tempo, visto que o Brasil não precisa repetir erros de outras nações que já traçaram este caminho.

Para melhor interpretação é preciso entender corretamente as definições da Lei BR-12.305/2010 de acordo com seu Art. 3°, conforme descrito abaixo:

Lei 12.305/2010 Art. 3°  Para os efeitos desta Lei, entende-se por:

I – acordo setorial: ato de natureza contratual firmado entre o poder público e fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes, tendo em vista a implantação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida do produto;

II – área contaminada: local onde há contaminação causada pela disposição, regular ou irregular, de quaisquer substâncias ou resíduos;

III – área órfã contaminada: área contaminada cujos responsáveis pela disposição não sejam identificáveis ou individualizáveis;

IV – ciclo de vida do produto: série de etapas que envolvem o desenvolvimento do produto, a obtenção de matérias-primas e insumos, o processo produtivo, o consumo e a disposição final;

V – coleta seletiva: coleta de resíduos sólidos previamente segregados conforme sua constituição ou composição;

VI – controle social: conjunto de mecanismos e procedimentos que garantam à sociedade informações e participação nos processos de formulação, implementação e avaliação das políticas públicas relacionadas aos resíduos sólidos;

VII – destinação final ambientalmente adequada: destinação de resíduos que inclui a reutilização, a reciclagem, a compostagem, a recuperação e o aproveitamento energético ou outras destinações admitidas pelos órgãos competentes do Sisnama, do SNVS e do Suasa, entre elas a disposição final, observando normas operacionais específicas de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança e a minimizar os impactos ambientais adversos;

VIII – disposição final ambientalmente adequada: distribuição ordenada de rejeitos em aterros, observando normas operacionais específicas de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança e a minimizar os impactos ambientais adversos;

IX – geradores de resíduos sólidos: pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, que geram resíduos sólidos por meio de suas atividades, nelas incluído o consumo;

X – gerenciamento de resíduos sólidos: conjunto de ações exercidas, direta ou indiretamente, nas etapas de coleta, transporte, transbordo, tratamento e destinação final ambientalmente adequada dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos, de acordo com plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos ou com plano de gerenciamento de resíduos sólidos, exigidos na forma desta Lei;

XI – gestão integrada de resíduos sólidos: conjunto de ações voltadas para a busca de soluções para os resíduos sólidos, de forma a considerar as dimensões política, econômica, ambiental, cultural e social, com controle social e sob a premissa do desenvolvimento sustentável;

XII – logística reversa: instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada;

XIII – padrões sustentáveis de produção e consumo: produção e consumo de bens e serviços de forma a atender as necessidades das atuais gerações e permitir melhores condições de vida, sem comprometer a qualidade ambiental e o atendimento das necessidades das gerações futuras;

XIV – reciclagem: processo de transformação dos resíduos sólidos que envolve a alteração de suas propriedades físicas, físico-químicas ou biológicas, com vistas à transformação em insumos ou novos produtos, observadas as condições e os padrões estabelecidos pelos órgãos competentes do Sisnama e, se couber, do SNVS e do Suasa;

XV – rejeitos: resíduos sólidos que, depois de esgotadas todas as possibilidades de tratamento e recuperação por processos tecnológicos disponíveis e economicamente viáveis, não apresentem outra possibilidade que não a disposição final ambientalmente adequada;

XVI – resíduos sólidos: material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe proceder ou se está obrigado a proceder, nos estados sólido ou semissólido, bem como gases contidos em recipientes e líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou em corpos d’água, ou exijam para isso soluções técnica ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível;

XVII – responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos: conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, para minimizar o volume de resíduos sólidos e rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos, nos termos desta Lei;

XVIII – reutilização: processo de aproveitamento dos resíduos sólidos sem sua transformação biológica, física ou físico-química, observadas as condições e os padrões estabelecidos pelos órgãos competentes do Sisnama e, se couber, do SNVS e do Suasa;

XIX – serviço público de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos: conjunto de atividades previstas no art. 7º da Lei nº 11.445, de 2007.

Descubra o mundo da gestão de resíduos com a VirapuruFlix! Acesse cursos e mentorias exclusivos sobre reciclagem, tratamento de resíduos e sustentabilidade. Ideal para empresários e ambientalistas que buscam inovar e liderar no mercado verde.
Amplie seu conhecimento em resíduos sólidos com a VirapuruFlix. Com conteúdo técnico avançado, é perfeito para acadêmicos e profissionais do setor ambiental. Assine e mantenha-se atualizado com as melhores práticas e tecnologias!
Gleysson B. Machado

Gleysson B. Machado

Sou especialista em transformar problemas ambientais em negócios sustentáveis. Formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios
Agora é a sua vez. Você acha que consegue contribuir com o conteúdo acima? Deixe seu comentário!

NOSSOS CURSOS

LEIA TAMBÉM

O mercado de negócios no gerenciamento de resíduos sólidos oferece oportunidades lucrativas para empreendedores. Com a crescente preocupação com a sustentabilidade, serviços de coleta seletiva, reciclagem e tratamento de resíduos são cada vez mais valorizados. Além disso, a logística reversa e a economia circular impulsionam a criação de novos modelos de negócio, promovendo a recuperação de materiais e a redução do impacto ambiental.
Negócios
Gleysson B. Machado

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

O que é Gerenciamento de Resíduos Sólidos? O que é Gerenciamento Internacional de Resíduos Sólidos? Quais os desafios de um Profissional Internacional em Gerenciamento de Resíduos Sólidos? Qual o diferencial de um Profissional Internacional em Gerenciamento de Resíduos Sólidos? Que tipo de negócios existem no gerenciamento de resíduos sólidos? Como um PIGRS pode aproveitar as oportunidades de negócios no gerenciamento de resíduos sólidos?

veja Mais »
Conceitos da Educação Ambiental. 
Aspectos Ambientais
Gleysson B. Machado

CONCEITOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A educação ambiental possui diversos conceitos, refletindo a complexidade e a interdisciplinaridade do tema. Ela abrange desde a conservação da natureza até a sustentabilidade social e econômica, incentivando a conscientização e a ação responsável frente aos desafios ambientais, adequando-se às diferentes realidades culturais e socioeconômicas.

veja Mais »