fbpx
fevereiro 14, 2014
0
||||| 0 |||||
695

Financiamento de Biodigestores alemães na Amazônia

Biodigestores são centrais de processamento que aceleram o a decomposição de matéria orgânica em um sistema fechado, na ausência de oxigênio, para a produção de biofertilizantes e biogás. O biogás pode ser revertido em energia térmica para por exemplo ser utilizado na fabricação de telhas, tijolos, cimento, cerâmicas em geral, farinha de mandioca, … e/ou em energia elétrica com suas milhares de possibilidades de uso.

Por suas características, o biodigestor pode ser utilizado como uma forma de geração de energia descentralizada, ou seja, vai gerar energia para a região onde será instalado, portanto, sem a necessidade da existência de uma longa rede de distribuição de energia elétrica.

Apesar de produzir mais energia do que consome, muitas cidades da região amazônica ainda sofrem com a falta ou escassez de energia elétrica e/ou térmica e muitas vezes esse fator é responsável pelo fraco desenvolvimento de cidades. A própria distribuição demográfica com suas distâncias gigantes entre as cidade, ou mesmos em situações em que as cidades são cercadas pelos milhares de rios que cortam a região, agravam esse problema ainda mais.

gerenciamento de resíduos sólidos pdf gestão de resíduos sólidos urbanos gestão de resíduos no brasil gerenciamento de resíduos industriais como é feito o gerenciamento de residuos solidos curso gestão de resíduos gerenciamento de resíduos de serviços de saúde gestão integrada de resíduos sólidos

Se você realmente deseja realizar seu sonho de trabalhar em prol do meio ambiente e ajudando milhares de pessoas, você precisa se qualificar. O Treinamento em Gerenciamento de Resíduos Sólidos é apontado por especialistas como o melhor do mercado para consultores, assessores, funcionários públicos, empresários, investidores e futuros profissionais. O conhecimento que está neste curso é a única coisa que lhe separa dos seus sonhos. Em apenas 2 meses você poderá comprovar. Quanto tempo mais você vai precisar para decidir investir no seu próprio desenvolvimento?

Veja como funciona um biodigestor no vídeo abaixo:

As distancias de algumas cidades na Amazônia das metrópoles também causam outro efeito interessante na vida e costume dessas pessoas que pode ser identificado facilmente através da gravimetria de seus resíduos sólidos. Essas cidades costumam ter uma proporção de resíduos orgânicos muito maior do que a soma de todos os outros resíduos juntos e em alguns casos, pode passar de 80% de todo o resíduo da cidade.

Por outro lado, a falta de estrutura do sistema de saneamento básico nessas cidades é, na maioria dos casos, responsável diretamente pela contaminação dos ar e do solo e na melhor das hipóteses, somente através da contaminação das águas consegue causar doenças aumentar o índice de mortalidade de pessoas em toda a região abastecida por essas águas.

Adicionando aos resíduos urbanos os resíduos agrícolas, conseguiria-se em muitos casos ter uma quantidade de resíduos orgânicos que viabilizasse o investimento em biodigestores, por exemplo algo em torno de 20 toneladas por dia. Nessas cidades, a existência de uma forma de processamento de resíduos orgânicos teria a gigantesca vantagem de resolver boa parte dos problemas com saneamento básico, e juntando o dinheiro gasto pelo poder publico para combater problemas de saúde pública resultantes da falta de saneamento, falta de destinação ambientalmente adequada de resíduos sólidos, entre outros, fatalmente chegaria-se a conclusão de que, mesmo sendo importante, a viabilidade econômica de tecnologias que possam resolver esses problemas não pode ser o único fator decisivo para sua implementação.

Contudo, muitas cidades na Amazônia possuem pouco poder aquisitivo e sozinhas não conseguiriam investir em por exemplo um biodigestor para esse fim.

Na tentativa de ajudar na resolução de problemas como esse, o Governo Federal criou o Fundo Amazônia que em alguns casos, poderia financiar projetos com fundos não reembolsáveis para o setor público ou privado e ser a fonte de recursos financeiros ideal para o financiamento de Biodigestores alemães na Amazônia, isso mesmo, o biodigestor com tecnologia alemã pode sair de graça para empreendedores na região amazônica.

O Fundo Amazônia é administrado pelo BNDES que o descreve em seu site da seguinte maneira:

“O Fundo Amazônia apoia projetos nas seguintes áreas:

  • Gestão de florestas públicas e áreas protegidas;
  • Controle, monitoramento e fiscalização ambiental;
  • Manejo florestal sustentável;
  • Atividades econômicas desenvolvidas a partir do uso sustentável da floresta;
  • Zoneamento ecológico e econômico, ordenamento territorial e regularização fundiária;
  • Conservação e uso sustentável da biodiversidade; e
  • Recuperação de áreas desmatadas.

Além da redução das emissões de gases de efeito estufa, as áreas temáticas propostas para apoio pelo Fundo Amazônia podem ser coordenadas de forma a contribuir para a obtenção de resultados significativos na implementação de seus objetivos de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento e de promoção da conservação e do uso sustentável das florestas no bioma da Amazônia.” – Fonte: Site do BNDES.

Veja no vídeo exemplo abaixo, a notícia (junho de 2013) de liberação de recursos para financiar projetos de desenvolvimento sustentável na Amazônia com recursos do Fundo Amazônia:

O tratamento de resíduos orgânicos com biodigestores é hoje no mundo um dos principais mecanismos no auxilio a redução de gases do efeito estufa existentes, como por exemplo o Metano (CH4) e constitui uma excelente ferramenta para a promoção da conservação e do uso sustentável das florestas de qualquer bioma. Aliado a isso, os projetos com biodigestores podem ser tranquilamente incluídos como projetos de inovação tecnológica com geração de emprego e renda. Contudo vale lembrar que a população local só ganhará realmente se houver transferência de tecnologia de tal forma que pessoas da região sejam devidamente qualificadas pela empresa para que possam fazer a operação e manutenção dessas centrais sem a necessidade de técnicos de fora do país. Veja o que diz o BNDES para quem deseja apresentar projetos:

“Conforme previsto no Decreto 6.527, os projetos elegíveis pelo Fundo Amazônia devem contribuir direta ou indiretamente para a redução do desmatamento na Amazônia.  Até 20% dos recursos do Fundo poderão ser utilizados no desenvolvimento de sistemas de monitoramento e controle do desmatamento em outros biomas brasileiros e em outros países tropicais.  As ações do Fundo Amazônia devem observar , além das Diretrizes e Critérios para aplicação dos recursos do Fundo Amazônia e focos de atuação para o biênio 2013 e 2014, estabelecidos pelo COFA, as diretrizes do Plano Amazônia Sustentável – PAS e doPlano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal – PPCDAM.” – Fonte: Site do BNDES

Apesar de ser uma fonte de recursos interessantíssima, os projetos devem ser encaminhados a um comitê especial onde será devidamente analisado. Veja o que diz no site:

O Fundo Amazônia é gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, que também se incumbe da captação de recursos, da contratação e do monitoramento dos projetos e ações apoiados.

“O Fundo Amazônia conta com um Comitê Orientador – COFA, com a atribuição de determinar suas diretrizes e acompanhar os resultados obtidos; e com um Comitê Técnico – CTFA, nomeado pelo Ministério do Meio Ambiente, cujo papel é atestar as emissões oriundas de desmatamentos na Amazônia.

O Comitê Técnico, conforme acima mencionado, atesta os cálculos apresentados pelo Ministério do Meio Ambiente quanto às reduções efetivas de Emissões de Carbono Oriundas de Desmatamento, apreciando as metodologias de cálculo da área de desmatamento e a quantidade de carbono por hectare utilizada no cálculo das emissões. O Comitê Técnico é composto por seis especialistas de notório saber técnico-científico designados pelo Ministério do Meio Ambiente, após consulta ao Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, para mandato de três anos, prorrogável uma vez por igual período. ” Fonte: Site do BNDES

Projetos para a implantação de biodigestores são extremamente específicos e necessitam de estudo local, gravimetria dos resíduos e análise sobre as melhores formas de processamento e uso de tecnologias para os fins específicos de cada cidade ou região. Para isso, o empreendedor deve contratar técnicos qualificados que possam trabalhar na elaboração de Planos de Negócio. O Portal Resíduos Sólidos oferece esse serviço. Para mais informações clique em Planos de Negócio no setor de Resíduos Sólidos ou assista ao vídeo abaixo:


Portanto, o ponto inicial para essa grande oportunidade é o estudo das ferramentas disponíveis e as formas de conseguir ter acesso a essas ferramentas. Como hoje em dia praticamente todas as ferramentas são disponibilizadas pela internet, você pode pesquisar e ter acesso a todas as informações necessárias para planejar o seu empreendimento. Dê o primeiro passo e seja um empreendedor de sucesso além de garantir o desenvolvimento sustentável da sua região, com respeito ao meio ambiente e geração de emprego para muitas famílias.

O Virapuru Training Center é o maior especialista em energia e meio ambiente em língua portuguesa

Quando você perceber que toda a sua luta por melhor qualidade de vida para você e sua família, por reconhecimento profissional e por liberdade financeira depende única e exclusivamente do desenvolvimento de suas competências, você vai tomar a atitude certa. Os maiores sinais das gigantescas oportunidades do mercado de resíduos sólidos são as cidades com ruas sujas, rios e mares poluídos e lixo sem destinação correta. Em contraste com isso tudo, catadores reconhecem o valor de produtos nos lixões e tiram daí seu sustento. Quanto tempo mais você vai precisar para entender o que está acontecendo no planeta onde você vive?

Share this:
Tags:

About gleysson

gleysson

Sou especialista em transformar problemas ambientais em negócios sustentáveis. Formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios

  • LinkedIn
  • Email

Add Comment