Geração distribuída contra os apagões

Independente das explicações oficiais, o fato é que o novo apagão no Nordeste do País expõe novamente às dúvidas a confiabilidade dos sistemas, da gerência e da política energética governamentais frente a acidentes de qualquer natureza e nos leva a considerar com mais seriedade a implementação da Geração distribuída contra os apagões.

No final do ano passado, li que a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) estimava que o setor elétrico deveria investir R$ 268,8 bilhões até 2021 para evitar o risco de apagões. O País precisaria gastar cerca de R$ 213 bilhões para construir usinas capazes de gerar 65,4 mil MW ou seis hidrelétricas de Belo Monte. E precisará desembolsar outros R$ 55,8 bilhões em 47,7 mil quilômetros de linhas de transmissão, algo equivalente a instalar oito linhões de transmissão de energia ligando o Oiapoque (AP) ao Chuí (RS).

Nossos números são grandes, porque o País é imenso e complexo, mas o governo pensa e planeja pequeno com as viseiras de andar em trilhas modestas. Considerando o crescimento previsto da demanda de energia, as limitações de ampliação das fontes hidrelétricas de grande porte e os altos custos – inclusive ambientais – de acudir nossas carências com usinas termoelétricas, precisamos encarar seriamente a geração distribuída (GD) como complemento tático de oferta para o abastecimento energético do País.

A geração distribuída é de fundamental importância para garantir o fornecimento de energia.
A geração distribuída é de fundamental importância para garantir o fornecimento de energia.

A Geração distribuída (GD) oferece importantes benefícios ao sistema elétrico, aos consumidores, ao meio ambiente e aos produtores porque se dá principalmente junto aos pontos de demanda e assim emerge como relevante mecanismo de eficiência energética, descentralizando a geração e utilizando fontes complementares que estão à disposição, especialmente da biomassa sucroenergética, da cogeração a gás natural e solar, das pequenas centrais hidrelétricas. No final das contas, pode aliviar os riscos operacionais e de fornecimento energético do sistema nacional.

Você quer trabalhar ou empreender no setor de resíduos mas não sabe por onde começar? Boas notícias! Não precisa fazer faculdade! Este curso foi feito pra você!

Governo, empresários, pesquisadores e formuladores de políticas concordam que é preciso posicionar os projetos do setor no centro das atenções, mas as barreiras política e de regulação são os maiores entraves para o desenvolvimento da geração distribuída e da cogeração de energia, apesar da legislação (Lei 10.848) sobre o assunto vigorar há cerca de 10 anos.

No início de agosto, o presidente da EPE Maurício Tolmasquim teceu loas à geração energética distribuída. Disse que é vantajosa “porque atende à demanda com diferentes estratégias, além de postergar investimentos em expansão do sistema, reduzir perdas na rede, aumentar a qualidade da energia, manter a modicidade tarifária no longo prazo e emitir poucos gases poluentes”. O discurso é bom, mas temos pedras no caminho que o governo se recusa a enxergar e enfrentar.

A governança do setor de energia é claudicante; a maneira como se estabelecem reajustes e se fixam tarifas é precária; da forma como têm sido estabelecidos, os valores de referência de remuneração da GD não atraem novos investimentos, da mesma forma como ainda é frouxa a norma para auto contratação de GD nos grupos empresariais. Aguarda-se a implementação da resolução da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) sobre a geração distribuída, uma regulamentação definitiva sobre a Lei do gás e definição que inclua o gás natural com destaque na matriz energética nacional. É preciso ampliar o limite de 10% estabelecido na lei para a contratação de GD pelas distribuidoras de energia, como é necessário que o governo estruture leilões regionalizados, por fontes, e dê fortes incentivos ao desenvolvimento de inovações, como as de redes inteligentes (smart grids) para as saturadas estruturas dos grandes aglomerados urbanos brasileiros de modo a evitar, prevenir e minimizar acidentes e apagões que paralisam os serviços essenciais, como de abastecimento de água, comunicações e socorro de grandes populações.

A energia eólica está deslanchando. A conjuntura é favorável ao incremento da energia solar e é bom o cenário que se desenha para o biogás, com o tratamento de resíduos sólidos, vinhaça e outras fontes resultantes dos processos agroindustriais brasileiros.

Ainda há burocracia e impedimentos para que os projetos deslanchem. Não é apenas uma questão de custos e de preços. O governo precisa participar mais do processo e induzir, com intenção, palavras e obras, sem necessariamente centralizar, o bom caminho para riscar do País os episódios frequentes de apagões.

Arnaldo Jardim. Deputado Federal – Presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Infraestrutura e membro da Comissão de Minas e Energia.

Esse conteúdo precisa alcançar mais pessoas. Compartilhe!

Agora é a sua vez. Você acha que consegue contribuir com o conteúdo acima? Deixe seu comentário!

Não pare agora, continue lendo

CORE 4P
Cláuvia Figueiroa de Sousa

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Como está o desenvolvimento do mercado de resíduos sólidos no Brasil? De quem é a responsabilidade pelo lixo gerado? O que o profissional em gerenciamento de resíduos sólidos pode fazer para desenvolver o mercado de resíduos? Quem pode ser responsável por um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos?  Qual o check list de um profissional de gerenciamento de resíduos para saber se está pronto para atuar no mercado?

veja Mais »