GESTÃO ASSOCIADA DE SERVIÇOS PÚBLICOS

gestão associada de serviços públicos
A gestão associada de serviços públicos revoluciona o modo como governos colaboram. Imagine cidades unindo forças para eficiência máxima em serviços essenciais. Como isso transforma nosso dia a dia? Descubra as inovações e desafios por trás dessa abordagem colaborativa.

COMPARTILHE

A gestão associada de serviços públicos surgiu como uma resposta a diversos problemas enfrentados pelos governos na prestação de serviços essenciais à população. Tradicionalmente, cada entidade governamental, seja municipal, estadual ou federal, é responsável por fornecer serviços dentro de suas respectivas jurisdições. No entanto, essa abordagem fragmentada muitas vezes leva a ineficiências, redundâncias e falta de coordenação, especialmente em regiões metropolitanas onde os limites geográficos das cidades são próximos ou se sobrepõem. Problemas como a duplicação de esforços, a dificuldade de planejamento e gestão integrada e a desigualdade na qualidade dos serviços entre diferentes áreas são comuns nesse contexto.

A gestão associada de serviços públicos propõe uma abordagem mais colaborativa e integrada. Nesse modelo, diferentes entidades governamentais se unem para planejar, financiar e operar serviços públicos de maneira conjunta. Isso pode incluir uma variedade de serviços, como transporte público, gestão de resíduos, fornecimento de água e tratamento de esgoto. Os desafios dessa abordagem incluem a necessidade de alinhar objetivos e políticas entre diferentes governos, a divisão de custos e receitas e a gestão de recursos compartilhados. Além disso, questões burocráticas e jurídicas podem surgir quando várias entidades governamentais tentam trabalhar juntas, exigindo um quadro legal claro e cooperação efetiva.

Apesar dos desafios, a gestão associada oferece oportunidades significativas. Ela pode levar a uma maior eficiência e eficácia na prestação de serviços, eliminando redundâncias e aproveitando economias de escala. Além disso, a gestão integrada pode resultar em uma melhor qualidade dos serviços, com benefícios para a população de todas as áreas envolvidas. A abordagem colaborativa também facilita o planejamento e a implementação de soluções inovadoras e sustentáveis, que podem ser mais difíceis de realizar por uma única entidade governamental. Em suma, a gestão associada de serviços públicos representa um esforço importante para superar os desafios da gestão pública tradicional, oferecendo uma via para serviços mais eficientes, equitativos e adaptados às necessidades das comunidades modernas.

O que é a Gestão associada de serviços públicos

A gestão associada de serviços públicos consiste no compartilhamento, entre diferentes entes federativos, do desempenho de certas funções ou serviços públicos de seu interesse comum. Trata-se, portanto, de uma forma de cooperação federativa para planejamento, regulação, fiscalização ou prestação de serviços que demandam ou recomendam o envolvimento de mais de um ente federativo. Saliente-se, portanto, que, diferentemente dos itens anteriores, a presente seção tem por foco instrumentos jurídicos a serem celebrados entre entes federativos, e não entre Estado e iniciativa privada. 

A Permissão e Concessão de serviços públicos são fundamentais para desenvolver infraestruturas modernas. Estas parcerias atraem investimentos privados, trazendo inovações e eficiência, mas devem ser gerenciadas com transparência e foco no bem-estar social.

gestão associada de serviços públicos. Uma central de triagem de resíduos sólidos funciona por meio da recepção dos resíduos, que são então transportados por esteiras. Nesse processo, ocorre a triagem manual e o uso de equipamentos especializados para separar os materiais recicláveis dos não recicláveis. Os materiais selecionados são encaminhados para reciclagem, enquanto o restante é direcionado para destinos adequados.
Em uma central de triagem de resíduos sólidos, os resíduos são recebidos e pré-triados para a remoção de contaminantes. Em seguida, são transportados por esteiras, onde ocorre a triagem manual e automatizada dos materiais recicláveis. Esses materiais são separados, compactados e encaminhados para reciclagem, enquanto os rejeitos são destinados a aterros sanitários ou processos de tratamento específicos.

A gestão associada de serviços públicos foi prevista expressamente no art. 241 da Constituição Federal, com redação estabelecida pela Emenda Constitucional nº 19/1998, a saber:

Art. 241. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios disciplinarão por meio de lei os consórcios públicos e os convênios de cooperação entre os entes federados, autorizando a gestão associada de serviços públicos, bem como a transferência total ou parcial de encargos, serviços, pessoal e bens essenciais à continuidade dos serviços transferidos.

A partir daí, duas constatações devem ser feitas:

  • Primeira: a gestão associada poderá envolver não apenas entes da mesma esfera federativa (município com município, estado com estado), como também entes de esferas distintas. Assim, um determinado serviço pode ser desempenhado por meio de gestão associada entre vários municípios e um estado, ou entre um município, um estado e a União, e assim por diante.
  • Segunda: a gestão associada deve estar consubstanciada em um instrumento jurídico que estabeleça as bases do relacionamento entre os entes federativos abrangidos. Nesse sentido, o dispositivo constitucional remete aos consórcios públicos e aos convênios de cooperação.

Esses instrumentos serão discutidos mais detidamente a seguir. Por ora, cabe apenas salientar que o legislador constitucional, ao mencionar os convênios e os consórcios, manifesta sua preocupação em deixar a cargos dos entes federativos a abrangência a ser dada à gestão associada. Assim, ela poderá tanto compreender meramente o planejamento conjunto de determinadas políticas, sem se criar uma instância própria de deliberação ou execução de serviços, quanto envolver a delegação de funções de fiscalização e regulamentação de determinadas atividades, realizadas por terceiros ou pelos próprios entes federativos.

De forma similar, o grau de vinculação da gestão associada também admite um leque variado de opções. Poderá consubstanciar-se na criação de uma outra pessoa jurídica, a quem caberá desempenhar as funções de gestão associada; ou então estabelecer um conjunto de obrigações e direitos contratuais entre entes federativos; ou, ainda, ser mero convênio de cooperação, evidentemente, por convênio que é, de caráter precário, que defina diretrizes gerais de interação entre dois ou mais entes federativos.

A gestão associada de serviços públicos promove uma sinergia intermunicipal, otimizando recursos e melhorando a eficácia dos serviços. Esta abordagem inovadora quebra barreiras administrativas, criando soluções integradas para desafios urbanos comuns, como transporte e saneamento.

a) Consórcio Público

Uma das alternativas para a integração de diferentes entes federativos é a instituição de consórcio público.

Os consórcios públicos travestem-se em formas de associação e de coordenação entre entes federativos no intuito de gerir serviços públicos de maneira conjunta ou coordenada, por meio do regramento da prestação dos serviços e da alocação de encargos, serviços, pessoal e bens essenciais conforme as necessidades e as possibilidades de cada um dos entes envolvidos. Trata-se, portanto, de manifestação do federalismo de cooperação.

gestão associada de serviços públicos. O lançamento de esgoto não tratado em corpos d'água gera sérios problemas ambientais, comprometendo a qualidade da água e afetando a vida aquática. O saneamento básico deficiente contribui para a contaminação, propagação de doenças e degradação dos ecossistemas aquáticos.
A falta de saneamento básico adequado resulta no despejo de esgoto nos corpos d’água, o que causa a eutrofização acelerada, com excesso de nutrientes, proliferação de algas e morte de peixes. A contaminação resultante compromete não apenas a biodiversidade, mas também a disponibilidade de água potável para consumo humano.

Os consórcios públicos, tal qual os consórcios em geral, têm natureza contratual, é dizer, exigem a criação de obrigações recíprocas entre as partes, com vista a bem atingir o objetivo de interesse comum.

Prós e Contras da Gestão Associada por Consórcio Público

Implementar a gestão associada em serviços públicos significa transcender fronteiras administrativas para atender melhor às necessidades da comunidade. Ela permite uma visão mais abrangente e eficiente, especialmente em áreas metropolitanas, onde a colaboração pode levar a serviços mais consistentes e de alta qualidade.

Essa forma de cooperação entre os entes federados tem as seguintes características:

  1. Versa sobre o exercício de competências comuns, em que há atuação conjunta, ou privativa, em que há propriamente cooperação;
  2. Estipula obrigações recíprocas entre os entes consorciais;
  3. Manifesta vontades não-antagônicas;
  4. É de natureza contratual;
  5. Admite cláusulas de sanções por inadimplência ou por danos causado por retirada do consórcio;
  6. Necessita de subscrição de protocolo de intenções pelos Chefes do Poder Executivo, cujas cláusulas devem estar de acordo com o previsto em lei;
  7. Necessita de ratificação do protocolo por lei emanada do Poder Legislativo de cada um dos entes envolvidos;
  8. Requer adoção de estatutos;
  9. Permite a gestão integrada plena dos serviços públicos, inclusive mediante o exercício, pelo consórcio, dos poderes de planejar, regular, fiscalizar e avaliar os serviços públicos;
  10. No caso de o consórcio prestar serviços públicos, obriga cada ente consorciado a celebrar, com ele, o respectivo contrato de programa.

b) Convênios de cooperação entre entes federados

O convênio, ajuste mediante o qual as partes buscam alcançar interesses comuns, é referido na Constituição Federal em dois momentos. O artigo 71, inciso IV da Constituição, menciona tal figura quando trata do controle externo da Administração Pública a cargo do Tribunal de Contas. Seu artigo 241, com redação dada pela EC n° 19/98, determina que os entes da Federação deverão disciplinar, por meio de lei, os convênios de cooperação. Porém, há de se ter em conta que, nesses dois momentos, a Constituição menciona instrumentos completamente diferentes, ou seja, não se deve confundir o convênio, especialmente o convênio de repasses de recursos, com o convênio de cooperação entre entes federados mencionado no art. 241 da Constituição, que pode possuir, entre seus objetos, a gestão associada de serviços públicos.

A gestão associada de serviços públicos oferece uma nova dimensão na administração pública, enfatizando a cooperação e a integração. Essa estratégia não só aprimora a qualidade dos serviços fornecidos, mas também promove o uso racional de recursos e a sustentabilidade a longo prazo.

Conforme a doutrina e a jurisprudência, o convênio existe para firmar a cooperação entre seus signatários, não havendo a oposição de vontades entre eles. Disso decorre a precariedade do instrumento, ou seja: a possibilidade de desfazimento do vínculo a qualquer tempo.

Nos convênios internos, firmados entre pessoas jurídicas de Direito Público, não se cogita da hipótese de prévia licitação para sua celebração, já que eles pressupõem a conclusão de um objeto específico e restrito às partes que o celebram, em que não se verifica uma competição digna de ensejar o certame.

Não esquecer da Lei 

Embora os convênios de cooperação entre entes federados não se confundam com o convênio tout court, no que couber, devem obedecer às mesmas formalidades e requisitos que a lei impõe aos contratos, destacando-se as cláusulas essenciais do termo previstas no artigo 55 da Lei n. 8.666/93 e o termo escrito. A gestão associada de serviços públicos é um caminho para a eficiência e a eficácia administrativa. Ao unir diferentes entidades governamentais, ela promove uma abordagem holística para resolver problemas comuns, garantindo uma distribuição mais equitativa de serviços de alta qualidade e melhorando a vida nas comunidades.

Deve-se ressaltar que os convênios devem necessariamente estabelecer seu prazo de duração, ainda que possam ser denunciados a qualquer tempo, sujeitando-se ao controle dos Tribunais de Contas dos entes federativos envolvidos.

Os convênios, no âmbito da gestão associada de serviços públicos, podem dispor sobre a regulação, o planejamento, a fiscalização e a avaliação de serviços públicos, inclusive formalizando que o exercício dessas atividades seja delegado para órgão ou entidade de determinado ente federativo. Por exemplo: mediante convênio de cooperação entre entes federados, o município pode delegar o exercício das atividades de regulação de um determinado serviço público para órgão ou entidade do estado ou de outro município.

gestão associada de serviços públicos. Nas cidades, o Sistema de Coleta Mista de Resíduos Sólidos simplifica o descarte, reunindo variados tipos de resíduos em uma coleta única. Contudo, a contaminação entre materiais pode dificultar a reciclagem eficaz e exige triagem avançada.
Em áreas urbanas, o Sistema de Coleta Mista de Resíduos Sólidos visa aumentar a participação da comunidade na reciclagem, coletando plásticos, papel, vidro e orgânicos juntos. Porém, a qualidade dos materiais recicláveis pode ser afetada pela mistura.

Além disso, é de se notar que o convênio de cooperação entre entes federados, ao contrário dos convênios comuns, precisa estar disciplinado por lei de cada um dos entes federados que cooperam entre si, nos termos do que expressamente prevê o art. 241 da Constituição Federal. Por causa disso, o seu regime jurídico difere-se bastante dos convênios comuns, em que é comum a existência de lei meramente autorizativa, apesar de a jurisprudência, inclusive do Supremo Tribunal Federal, considerar inconstitucional essa exigência. Nota-se, aqui, portanto, uma diferença importante entre os convênios comuns, que, a rigor, nem necessitam de lei autorizativa para serem celebrados, e os convênios de cooperação entre entes federados, que podem dispor sobre serviços públicos e autorizar a sua gestão associada, dependendo, porém, de disciplina por lei editada individualmente pelos entes federados cooperantes.

Em um mundo cada vez mais interconectado, a gestão associada de serviços públicos emerge como uma abordagem vital. Ela facilita a implementação de soluções inovadoras e sustentáveis, abordando coletivamente questões como mobilidade urbana, gestão de resíduos e planejamento de infraestrutura.

Note-se, também, que o convênio comum pode ser subscrito por diferentes pessoas jurídicas, inclusive por pessoas jurídicas de Direito Privado. O mesmo não ocorre com o convênio de cooperação entre entes federados, que, evidentemente, comporta subscrição apenas pelos representantes legais dos respectivos entes federados.

Por fim, caso a gestão associada englobe a prestação de serviço público, ou seja, que órgão ou entidade de um ente federado preste serviço público de titularidade de outro ente federado, necessário se faz que isso esteja expressamente autorizado no convênio de cooperação, bem como esteja devidamente contratado, por meio do contrato de programa, a que se fará menção a seguir.

Segue um resumo das características do convênio de cooperação entre entes federados:

  1. comunhão de objetivos institucionais comuns;
  2. competências institucionais comuns aos conveniados;
  3. convergência de objetivos e resultados;
  4. mútua colaboração;
  5. vontades não-antagônicas;
  6. natureza precária;
  7. inadmissibilidade de cláusula de permanência obrigatória e de sanções por inadimplência.

Fonte: O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo nos empreendimentos de manejo de resíduos sólidos urbanos e o impacto do Projeto de Lei nº 5.296/2005 – Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques Advocacia – Ministério das Cidades

Descubra o mundo da gestão de resíduos com a VirapuruFlix! Acesse cursos e mentorias exclusivos sobre reciclagem, tratamento de resíduos e sustentabilidade. Ideal para empresários e ambientalistas que buscam inovar e liderar no mercado verde.
Amplie seu conhecimento em resíduos sólidos com a VirapuruFlix. Com conteúdo técnico avançado, é perfeito para acadêmicos e profissionais do setor ambiental. Assine e mantenha-se atualizado com as melhores práticas e tecnologias!
Picture of Gleysson B. Machado

Gleysson B. Machado

Sou especialista em transformar problemas ambientais em negócios sustentáveis. Formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios
Agora é a sua vez. Você acha que consegue contribuir com o conteúdo acima? Deixe seu comentário!

NOSSOS CURSOS

LEIA TAMBÉM

Negócios
Gleysson B. Machado

PLANO DE NEGÓCIO PARA USINAS DE RECICLAGEM

Por que investir em usinas de reciclagem? Quais as etapas que devo observar até abrir uma usina de reciclagem? O que é um Plano de Negócio para Usinas de Reciclagem? Quais as etapas que compõem um Plano de Negócio para Usinas de Reciclagem? Quais as vantagens de fazer um plano de negócio antes de investir na usina de reciclagem? Quais os riscos de começar uma empresa de reciclagem sem um bom plano de negócios? Por que devo contratar uma empresa para fazer meu plano de negócio? Por que a Virapuru Engenharia e Sustentabilidade LTDA é a melhor empresa do mercado internacional para elaborar Plano de Negócio para usinas de reciclagem?

veja Mais »
O servico de coleta de lixo é explicado dentro do maior portal sobre resíduos em língua portuguesa. portalresiduossolidos.com
Coleta de Resíduos
Gilmar Barcellos

O QUE É O SERVIÇO DE COLETA DE LIXO?

O que é o serviço de coleta de lixo? Como é o processo de coleta de lixo? Qual a importância de fazer a coleta de lixo? Que tipos de coleta de lixo existem?Quem é o responsável pela coleta de lixo?

veja Mais »