O Processo de Marrakesh

O Plano de Johanesburgo (aprovado na Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, ou Rio+10, em 2002) propôs a elaboração de um conjunto de programas, com duração de dez anos (10 Years Framework Program), que apoiasse e fortalecesse iniciativas regionais e nacionais para promoção de mudanças nos padrões de consumo e produção.

A fim de cumprir esse mandato, foi estabelecido sob a coordenação do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (UNDESA), o Processo de Marrakesh(1), que contou também com a participação essencial de governos nacionais, agências de desenvolvimento, setor privado, sociedade civil e outros atores.

Mecanismos do Processo de Marrakesh em PCS

Mecanismos do Processo de Marrakesh em PCS
Mecanismos do Processo de Marrakesh em PCS

A adesão ao Processo de Marrakesh pressupôs o desenvolvimento de atividades que conduzissem à elaboração do Plano de Ação. Para ajudar nessa empreitada, o PNUMA e seus parceiros criaram sete Forças-Tarefa (Task Forces)(2), cada qual encarregada de um tema no contexto do “10-Year Framework of Programmes on SCP – 10YFP” (Johanesburgo 2002) – os resultados deste primeiro marco de programa foram apresentados durante a Décima Nona Comissão de Desenvolvimento Sustentável (CDS 19) da ONU, realizada em Nova York em maio de 2011 e, embora a proposição estivesse aprovada pelos membros do grupo de trabalho, não foi tomada a decisão que viabilizasse a implementação do programa a partir de 2012. O Brasil defende que o processo seja retomado durante a Rio+20.

Você quer trabalhar ou empreender no setor de resíduos mas não sabe por onde começar? Boas notícias! Não precisa fazer faculdade! Este curso foi feito pra você!

As Task Forces (Forças-Tarefa de Marrakesh – MTF) contaram com a participação de especialistas de países desenvolvidos e em desenvolvimento. Estes grupos consistiam iniciativas voluntárias, coordenadas pelos governos que, em cooperação com outros países, se propuseram a realizar um conjunto de atividades em nível nacional ou regional, relatando avanços em relação aos objetivos traçados.

O intuito das Forças-Tarefa criadas foi o de reunir as experiências mais avançadas em PCS nos países para poder disseminá-las, incluindo manuais metodológicos.

O Brasil aderiu formalmente ao Processo de Marrakesh em 2007, comprometendo-se a elaborar seu Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS).

Forças-Tarefa de Implementação do Processo de Marrakesh
Forças-Tarefa de Implementação do Processo de Marrakesh

 

Referências

(1) A ONU nomeia os documentos e processos oficiais resultantes de suas reuniões de acordo com a cidade sede da reunião. Essa foi realizada em Marrakesh, no Marrocos em 2003, daí o nome Processo de Marrakesh.

(2) Forças-Tarefa: 1.Cooperação com a África (liderado pela Alemanha); 2.Produtos Sustentáveis (Reino Unido); 3.Estilos de Vida Sustentáveis (Suécia); 4.Compras Públicas Sustentáveis (Suíça); 5.Turismo Sustentável (França); 6.Edifícios e Construções Sustentáveis (Finlândia); 7.Educação para o Consumo Sustentável (Itália).

The Marrakech Process site

Fonte

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis – PPCS

Ministério do Meio Ambiente

Esse conteúdo precisa alcançar mais pessoas. Compartilhe!

Agora é a sua vez. Você acha que consegue contribuir com o conteúdo acima? Deixe seu comentário!

Não pare agora, continue lendo

Controle Social
Gleysson B. Machado

Porque lutar contra a corrupção

Entendendo que o exercício da cidadania requer indivíduos que participem cotidianamente da vida de sua cidade é possível entender porque lutar contra a corrupção. Organizados

veja Mais »
Aspectos Ambientais
Gleysson B. Machado

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental é um instrumento da Política Nacional de Meio Ambiente, estabelecida pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, que tem como

veja Mais »