fbpx
outubro 30, 2014
0
||||| 1 |||||
2345

Os resíduos da indústria de calçados de Jaú-SP

O Município de Jaú está localizado na região central do estado de São Paulo, 296 km da capital. Com uma população de 131. 040 habitantes (IBGE 2010). O município é banhado pelo Rio Tietê e isso trás benefícios devido à hidrovia Tietê- Paraná. Há também boas rodovias em boas condições para trafego para diversas cidades importantes da região como Bauru, Araraquara e São Carlos.

O curso sobre Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos oferecido pelo Portal Resíduos Sólidos é hoje referência no mercado, por ter o melhor conteúdo pelo melhor preço.Com um clima tropical e com precipitações entre 1200 mm e 1500 mm por ano, somado a um solo Latosolo roxo, tem excelentes condições para praticas agrícolas, como cana de açúcar. A canavicultura tem predominância nas atividades agrícolas. E a economia da cidade gira em torno de indústrias de calçados, principalmente femininos. Jau é conhecido como a capital do calçado feminino.

Como a cidade tem dezenas de fábricas de calçados, nada melhor pra falar sobre os resíduos da indústria de calçados de Jaú-SP, que tem como principal resíduo gerado: o couro. Todos os dias milhares de pares de sapatos são fabricados, e com isso toneladas de resíduos de couro são gerados. E no processo de curtição do couro, onde o material fica mais resistente e durável, usa-se o metal cromo. Esse metal deixa o couro com uma característica lisa e resistente as condições do clima, ideais para um bom calçado.

A Cidade de Jaú-SP é conhecida como a cidade do calçado feminino

Fig 01: A Cidade de Jaú-SP é conhecida como a cidade do calçado feminino (Fonte: Google Maps 2014)

Com 123 fabricas associadas ao sindicato da industria de calçados de Jaú (fora as não associadas) produzindo e gerando toneladas de couro por dia, o material em questão está dando muita dor de cabeça para a população. O motivo? É muito simples. Já que fica caro mandar esse resíduo, que é classificado como perigoso e não inerte, para um aterro sanitário ( o mais próximo é da cidade de Guatapará, administrado pela empresa Estre Ambiental,que pode receber esse tipo de resíduo fica a mais de 100 km de distancia), os donos das fabricas encontraram um jeito muito fácil (e totalmente errado) de se “livrar” do couro. Levando em qualquer terreno baldio ou para piorar ainda a situação, queimando os resíduos em qualquer local. E a fumaça é toxica, pois contém cromo. Totalmente contra a Politica Nacional de Resíduos Sólidos, dando uma destinação totalmente inadequada aos resíduos. E não, não há fiscalização da CETESB (Companhia de Tecnologia de Saneamento ambiental do estado de SP). Na Fig. 02 abaixo, tirada dia 28/10/2014, é possível visualizar um exemplo do lançamento desses resíduos em um terreno próximo de residências.

Seu futuro depende do seu preparo. Tome a decisão que vai mudar a sua vida assim como mudou a dos nossos alunos. Matriculas abertas somente até o dia 06/05/2019!

Resíduos de Calcados

Fig. 02: Resíduos de Calcados lançados em terrenos baldios (Foto: M.Vieira 28/10/2014)

Essa ação dos geradores não se encaixa em nenhum ponto da ordem de prioridade. Ninguém se preocupa em gerar menos, não ligam se gastam muita matéria prima, não tem nenhum programa para a diminuição de gastos já na linha de produção. Gastam-se demais, aumenta o preço do sapato e pronto. Reutilizar e reciclar, essas palavras parece que não existem aos geradores. Disposição ambientalmente adequada muito menos, como isso precisa de planejamento e investimentos, é mais fácil jogar aonde ninguém vê e nem fiscaliza. Seria interessante o município incentivar um Plano Municipal de Gerenciamento de Resíduos, em geral, não só para as fabricas de calçado, mas isso é muito difícil, falta gente com capacidade e vontade de fazer isso.

Aprenda a ter um negócio de sucesso com resíduos no Portal Resíduos SólidosO único transporte que há para esses resíduos é da fabrica da onde é gerado para o terreno onde será descartado. Talvez uma reciclagem desse couro, ou talvez misturando ele com plástico para fazer um novo material capaz de voltar ao processo produtivo. Falta muito estudo para esse problema do couro aqui na cidade. É difícil dizer até se o resíduo é reciclável.

Única vantagem de lucro pelo visto é para o próprio gerador, pois economiza recursos em não mandar para um aterro sanitário, ou para estudar um modo de gerar menos couro, ou curtir o couro com outro tipo de produto, que não seja tão poluidor, ou em processos de reciclagem, se for possível. E para o município e para a população é gasto com saúde, pois com a fumaça, vinda da queimada de couro junto com outros materiais, vêm os problemas respiratórios, principalmente no inverno, onde o tempo já esta seco. A Fig. 03, também tirada no dia 28/10/2014, mostrando cinzas de couro e com outros materiais. Pode observar alguns pedaços de couro sem queimar no canto esquerdo.

Fig. 03: Cinzas de resíduos de calcados queimados

Fig. 03: Cinzas de resíduos de calçados queimados

São 59 páginas bastante ilustradas e com links para alguns vídeos exclusivos. O conteúdo do eBook abrange A biodigestão anaeróbia, Fatores que influem na produção de biogás, As fases da biodigestão anaeróbia com informações detalhadas sobre a Hidrólise, Acidogênese, Acetogênese, Metanogênese e Sulfatogênese.

Desenvolvimento sustentável

Essas duas palavras passam longe, ou nem são de conhecimento. O respeito com o meio ambiente é zero. Com a população em geral também é nulo. Tanto pela poluição do ar, quando pela poluição de solos e agua, através do couro jogado a céu aberto. Há geradores que se unem e mandam seus resíduos de couro para aterro sanitário, mas não são todos. Muitos locais são depósitos clandestinos de couro, principalmente em beira de rodovias. o município tem a obrigação de elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, de acordo com a Politica Nacional de Resíduos Sólidos. um PMGIRS fosse implantado de maneira correta, esses resíduos de couro teriam uma destinação ambientalmente adequada, que seria o aterro sanitário, pois o couro é caraterizado com resíduo perigoso não inerte.E  aplicar multas pesadas à essas pessoas que desrespeitarem o Plano,de acordo com a legislação. Uma alternativa também seria estudos relacionados a este resíduo, se pode voltar ao sistema produtivo, ou reciclar. estes estudos seriam de interesse tanto público como dos produtores de calçados.

Trabalho para a conclusão do curso de Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos – Matheus Vieira

Share this:
Tags:

About Gleysson B. Machado

Gleysson B. Machado

Sou especialista em transformar problemas ambientais em negócios sustentáveis. Formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios

  • Instagram
  • LinkedIn
  • Email

Add Comment