fbpx
março 9, 2014
0
||||| 0 |||||
506

PGIRS – Diretrizes específicas

A nova legislação instrui que sejam feitos esforços em uma ordem progressiva que produz, reconhecidamente, o melhor resultado: esforços para a não geração e a redução dos resíduos, para que seja maximizada a reutilização e a reciclagem, para que sejam adotados tratamentos quando necessários e, por final, a disposição adequada dos rejeitos. Esta ordem de precedência passou a ser obrigatória, não mais voluntária.

Os atalhos tecnológicos que avançam diretamente para tratamento de resíduos sem diferenciação, são ilegais; eliminam a logística reversa e a responsabilidade compartilhada pela gestão, peças centrais da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Através do curso de elaboração de plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos você entende como o setor público pode arrecadar mais e investir mais no municípioO PGIRS pode tomar como diretriz inicial as orientações que vem sendo apresentadas pelo Ministério do Meio Ambiente para a concretização das diretrizes oriundas do novo arcabouço legal. As diretrizes, incluídas neste item, objetivam a máxima recuperação de resíduos e a minimização da quantidade de rejeitos levados à destinação final ambientalmente adequada. Precisam ser aplicadas em função das responsabilidades diferenciadas dos agentes públicos e privados.

No capítulo PGIRS – Diretrizes específicas de um Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, devem ser observadas as metodologias e tecnologias necessárias para o cumprimento da Lei 12.305/2010.

Orientações para recuperação de resíduos e minimização dos rejeitos na destinação final ambientalmente adequada (Ministério do Meio Ambiente)

Seu futuro depende do seu preparo. Tome a decisão que vai mudar a sua vida assim como mudou a dos nossos alunos. Matriculas abertas somente até o dia 06/05/2019!

  • Separação dos resíduos domiciliares recicláveis na fonte de geração (resíduos secos e úmidos)
  • Coleta seletiva dos resíduos secos, realizada porta a porta, com pequenos veículos que permitam operação a baixo custo, priorizando-se a inserção de associações ou cooperativas de catadores
  • Compostagem da parcela orgânica dos RSU e geração de energia por meio do aproveitamento dos gases provenientes da biodigestão em instalações para tratamento de resíduos, e dos gases gerados em aterros sanitários (biogás); incentivo à compostagem doméstica
  • Segregação dos Resíduos da Construção e Demolição com reutilização ou reciclagem dos resíduos de Classe A (trituráveis) e Classe B (madeiras, plásticos, papel e outros)
  • Segregação dos Resíduos Volumosos (móveis, inservíveis e outros) para reutilização ou reciclagem
  • Segregação na origem dos Resíduos de Serviços de Saúde (grande parte é resíduo comum)
  • Implantação da logística reversa com o retorno à indústria dos materiais pós-consumo (eletroeletrônicos, embalagens e outros)
  • Encerramento de lixões e bota foras, com recuperação das áreas degradadas

Entre as diretrizes específicas deverão estar claramente lançadas as relativas à inclusão dos catadores detectados no período do diagnóstico.

Share this:
Tags:

About Gleysson B. Machado

Gleysson B. Machado

Sou especialista em transformar problemas ambientais em negócios sustentáveis. Formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios

  • Instagram
  • LinkedIn
  • Email

Add Comment