fbpx
julho 2, 2013
0
||||| 0 |||||
804

Produção de energia produzida a partir de resíduos está aumentando no mundo

O relatório “Waste-to-Energy Markets – Renewable Power and Heat Generation from Municipal Solid Waste: Market Outlook, Technology Assessments, and Capacity and Revenue Forecasts” por Pike Research examina as oportunidades para o mercado global de energia a partir de resíduos (Waste-to-Energy – Wte) para três segmentos tecnológicos principais: combustão, gaseificação e digestão anaeróbia e conclui que a Produção de energia produzida a partir de resíduos está aumentando no mundo.

Pike Research explica que a WTE compreende as tecnologias de conversão térmica e biológica que desbloqueiam a energia utilizável contida em resíduos sólidos urbanos (RSU) para produzir eletricidade e calor. Os sistemas industriais de termovalorização são integrados em regimes de gestão de resíduos finalizados a prevenir o uso de aterros sanitários.

Reduzindo o volume de lixo em 90%, ou mais, e evitando as emissões de metano a partir do aterro, a WTE oferece uma opção legal para promover o crescimento “low-carbon“ no campo das energias renováveis.

A recuperação energética também tem uma alternativa muito mais viável e sustentável, pelo menos de acordo com a União Europeia, que, na hierarquia para a correta gestão do ciclo integrado dos resíduos, indica a recuperação de materiais (ou reciclagem) como uma prioridade, em comparação com recuperação de energia.

De acordo com o relatório no ano 2011, no mundo foram produzidos cerca de 2 bilhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos e, ao longo dos próximos 10 anos, o crescimento da população, a urbanização e o aumento do nível social e econômico devem aumentar esse número ainda mais.

Em primeiro lugar nesta nova corrida pelo crescimento das tecnologias WTE parece ficar, mais uma vez, a China que está transferindo o centro de tecnologias WTE longe da Europa e para a região Ásia-Pacífico. Mas o relatório aponta que os altos custos iniciais de capital e a deposição em aterro, atraentes do ponto de vista econômico, são obstáculos persistentes por uma adopção generalizada. Também se estão operando atualmente mais de 800 usinas térmicas WTE em quase 40 países em todo o mundo, estas instalações tratam apenas 11% dos resíduos sólidos urbanos produzidos no mundo em 2011, em comparação com 70% que são depositados em aterro

O mercado ainda é dominado por tecnologias de combustão, mas Waste-to-Energy Markets hipótesa que o desenvolvimento em tecnologias “advanced thermal treatment” (ATT), como a pirólise, poderia diminuir o uso de aterro sanitário e melhorar a economia da WTE, considerando também  que um aumento das implantações de tecnologias biológicas é em previsão ao nivel mundial.

Professor Amarildo Ferrari

Você aprenderá sobre A Política Nacional dos Resíduos Sólidos, Elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS), Acondicionamento e tipos de Resíduos, Tratamento e disposição final dos Resíduos, A logística reversa e a Situação dos resíduos sólidos no Brasil

De acordo com o relatório de Pike Research os sistemas Waste-to-Energy em 2022 vão cobrir, pelo menos, 261 milhões de toneladas de resíduos por ano, com uma produção de energia elétrica e térmica estimada 283 terawatt/hora (TWh), em comparação a 221 TWh em 2010. No cenário descrito como o “mais otimista”, as usinas WTE poderiam tratar 396 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos por ano, produzindo 429 TWh de energia.

por Carlo Galeffi

Gostou do tópico? clique no botão +1 do google logo abaixo

Share this:
Tags:

About gleysson

gleysson

Sou especialista em transformar problemas ambientais em negócios sustentáveis. Formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios

  • LinkedIn
  • Email

Add Comment