fbpx
agosto 10, 2013
1
||||| 3 |||||
16330

Reciclagem de Papel

A reciclagem de papel pode se tornar um dos negócios mais rentáveis no Brasil nos próximos anos,  além de ter um impacto direto e imediato na proteção da natureza.

O papel foi fabricado pela primeira vez na China, em 105, por Ts’AiLun. Sua fabricação foi feita por desintegração de fibras de diversos materiais. Hoje o papel é fabricado a partir da extração da celulose de árvores e, até mesmo, a partir de aparas, por meio do processo de reciclagem (Paraná, 2006). A celulose pode ser obtida a partir de qualquer material fibroso, porém somente algumas espécies de árvores têm a qualidade e a pureza adequadas. No Brasil, as espécies apropriadas para a produção do papel são eucalipto, pinho e gmelina.

Aprenda a ter um negócio de sucesso com resíduos no Portal Resíduos SólidosA indústria de papel e celulose tem grande importância no Brasil, sendo responsável por, aproximadamente, 1% do PIB do país. A primeira fábrica de papel foi instalada no país em 1852 porém, somente em 1956 ocorreram investimentos governamentais significativos para o setor. Em 1968, com o investimento de uma empresa norueguesa no Rio Grande do Sul, iniciou-se a descoberta da potencialidade da estrutura brasileira na produção de papel.

Na década de 70 houve o crescimento do setor no Brasil, com o incentivo do governo à produção de papel para a exportação. No entanto, a produção que se consolidara nos anos 80 teve uma queda nos anos 90, provocada pela crise nacional dos Planos Collor I e II. Somente em fins do século XX e início do XXI, houve um restabelecimento do setor no Brasil.

De acordo com os dados da ABTCP – Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel, o Brasil extraiu 8 milhões de toneladas de celulose em 2002, o que significou um aumento de 7,9% em relação a 2001. Já o consumo de papel cresceu 1,2% no mesmo período. Em 2008, a produção atingiu 12,85 milhões de toneladas, o que fez com que o Brasil se posicionasse como quarto produtor mundial. Em média, estudos mostram que o consumo no Brasil é em torno de 6 milhões de toneladas por ano.

Seu futuro depende do seu preparo. Tome a decisão que vai mudar a sua vida assim como mudou a dos nossos alunos. Matriculas abertas somente até o dia 06/05/2019!

O Portal Resíduos Sólidos organiza excursões técnicas para visitar centrais de reciclagem de papel na Alemanha para grupos a partir de 5 pessoas. Para saber mais sobre a programação e valores entre em contato por email ([email protected]).

Fabricação de Papel

O papel é basicamente fabricado de fibras de celulose extraído de arvores com um alto teor de celulose. As árvores mais usadas no Brasil para a fabricação de papel são:

  • Os pinheiros que possuem fibras mais longas e por isso é mais resistente e possui preço baixo
  • Os eucaliptos, que possuem um crescimento muito rápido

Na fabricação de papel, o grande desafio é separar a celulose da lignina e para isso existem vários processos. Seja qual for o processo escolhido, é essencial obter fibras longas de celulose, pois este é o principal fator de qualidade do papel.

Através do processo mecânico, a madeira é triturada para a separação da hemicelulose. As fibras resultantes do processo de trituração são curtas e com isso, de baixa qualidade.

O processo químico que mais se destaca é o chamado KRAFT, conseguindo um papel de qualidade superior, contudo, neste processo existe a geração de um resíduo muito tóxico conhecido como licor negro produzido pela dissolução da lignina da madeira.

São 59 páginas bastante ilustradas e com links para alguns vídeos exclusivos. O conteúdo do eBook abrange A biodigestão anaeróbia, Fatores que influem na produção de biogás, As fases da biodigestão anaeróbia com informações detalhadas sobre a Hidrólise, Acidogênese, Acetogênese, Metanogênese e Sulfatogênese.

Os impactos da produção do papel são maiores que os de sua disposição pósconsumo. Como o papel é biodegradável, a maior preocupação está na derrubada de árvores e plantio de “monoculturas” para sua produção e nos resíduos gerados durante seu processo de fabricação. A diminuição da biodiversidade é uma das causas de aumento da probabilidade de desequilíbrios ecossistêmicos. Desta forma, incentivos para a reciclagem abrangem não só aspectos econômicos como, também, de sustentabilidade.

Como funciona a reciclagem de papel

A reciclagem é fundamental na busca pela sustentabilidade. Uma tonelada de aparas pode evitar o corte de 10 a 12 árvores provenientes de reflorestamentos e o uso de aparas para a reciclagem leva à economia de insumos, em especial da água utilizada nos processos de produção a partir da celulose.

O setor de papéis vem apresentando um aumento significativo no uso de reciclados; em 2000, o uso de recicláveis representou 45% da produção mundial de papel. No Brasil, apenas 37% do papel produzido vai para a reciclagem. De todo o papel reciclado, 80% é destinado à confecção de embalagens, 18% a papéis sanitários e apenas 2% à impressão.

Estima-se que na fabricação de aproximadamente 1 tonelada de papéis corrugados, são necessárias, aproximadamente, 2 toneladas de madeira (o equivalente a cerca de 15 árvores), 44 a 100 mil litros de água e de 5 a 7,6 mil KW de energia. A produção desta mesma quantidade de papel gera, ainda, 18 Kg de poluentes orgânicos descartados nos efluentes e 88 Kg de resíduos sólidos. Os poluentes são compostos por fibras, breu (material insolúvel) e celulose (de difícil degradação). Já no processo de reciclagem, o volume de água utilizado cai para 2 mil litros e o consumo de energia cai para 2,5 mil KW. Reciclar o papel, ao invés de fabricá-lo a partir da celulose, pode levar a uma redução de consumo de energia, emissão de poluentes e do uso da água, além de redução da percentagem de papel descartado como resíduo sólido.

O processo de reciclagem depende do tipo de apara/papel pós-consumo a ser processado e do tipo de papel a ser fabricado. A Figura abaixo ilustra, de forma geral, o processo de reciclagem de papel.

Processo de Reciclagem de Papel. Fonte: Adaptado de Ambiente Brasil, 2008

Processo de Reciclagem de Papel. Fonte: Adaptado de Ambiente Brasil, 2008

Os papeis coletados geralmente chegam a fabrica misturados com outras substancias. Na primeira parte do processo, os todo o material coletado é triturado formando uma pasta de celulose. Feito isso, esta pasta é peneirada para retirar todos os tipos de impurezas contidas na pasta como fitas adesivas, plástico, e alguns metais.

A retirada de tintas da pasta de celulose é feita então com a adição de compostos químicos (água e soda cáustica). Nos refinadores acontece um processamento da pasta para melhorar a ligação entre as fibras de celulose para que esta finalmente possa ser branqueada e seguirem para as máquinas de fazer papel.

Para que o papel seja passível de reciclagem com qualidade, ele não pode estar “contaminado” com materiais tais como ceras, plásticos, manchas de óleo e tintura, terra, pedaços de madeira, barbantes, cordas, metais, vidros, etc…, que podem dificultar o processo de reciclagem. Por isso, adota-se uma subdivisão indicativa para papel reciclável e papel não reciclável.

A reciclagem do papel, além dos fatores econômicos que propicia, contribui para a preservação dos recursos naturais (matéria-prima, energia e água), redução da poluição e dos resíduos sólidos urbanos gerados. Apesar de proporcionar todos estes benefícios, a indústria da reciclagem também consome energia e polui. Portanto, é fundamental o uso racional do papel e o consumo sustentável em paralelo, é imprescindível a estruturação da coleta seletiva e da logística reversa, e o desenvolvimento de novas tecnologias de reciclagem.

Comparação e integração dos processos

Ao reciclar papel, passamos a utilizar os recursos naturais de maneira mais responsável e não precisamos desmatar tanto. Um outro fator de muita importância para o meio ambiente é a economia no uso de água para a fabricação de papel. Para se fabricar uma tonelada de papel tradicional é necessário usar 100.000 l de água. A fabricação de papel através da reciclagem por outro lado, só precisa de 2.000 l por tonelada de papel fabricado. Com isso, também existe uma redução considerável no consumo de energia, algo em torno de 50 a 80% de economia de energia em relação ao processo tradicional.

Apesar do fato de a produção de papel a base de papel reciclado ser muito mais barata que o método tradicional, o preço final do papel reciclado era muito caro. A falta de uma logística eficiente e uma coleta seletiva capaz de levar para as fabricas os papeis velhos assim como a falta de estímulo a um consumo consciente por parte das empresas e população, não contribuíam para a popularização deste processo e o preço do papel reciclado muitas vezes chegava ao dobro do papel de fabricação tradicional.

A partir de 2010, quando a Lei 12.305, a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS foi sancionada, ouve um crescimento acentuado na coleta seletiva deste material e alto estímulo ao consumo de papel reciclado. A PNRS obriga todos os órgãos públicos a consumirem preferencialmente material reciclado e com o aumento da demanda, o preço do papel reciclado tende a cair bastante e finalmente a reciclagem de papel se tornar um dos melhores investimentos do setor no Brasil. A Associação Brasileira de Celulose e Papel dispõe gratuitamente de uma mapa do setor no Brasil, onde informa como o setor esta organizado em todo o Brasil. Neste mapa você pode ler informações a respeito da quantidade de área florestal plantada para a fabricação de papel assim como uma estimativa do numero de empresas que fazem a reciclagem de papel no ano de 2010. Para acessar o mapa, clique AQUI.

Na Alemanha, 22,6 milhões de toneladas de papel e papelão foram produzidas em 2011. Para isso, foram utilizados 15,3 milhões de toneladas de papel. Quanto mais papel é reciclado, a menos de madeira tem de ser utilizada para a produção de papel e menos floresta precisa ser derrubada. O papel é reciclado para diferentes fins e com diferentes qualidades:

  • Produtos de papel sanitários (papel higiênico, toalhas de papel e toalhas de chá)
  • Papel não revestido
  • Papel de cópia
  • Papel de jornal

A qualidade do papel está diretamente relacionada com o comprimento das fibras de celulose, dessa forma, quanto mais o papel for reciclado, mais curtas suas fibras vão ficando. Estima-se que o papel pode ser reciclado até 6 vezes. Com a reciclagem repetida, as fibras curtas precisam ser removido do circuito. No entanto com a introdução continua de fibras virgens oriundas de revistas (triturada) e celulose entrando na circulação, nunca acontece um colapso na reciclagem, mesmo com a reciclagem repetida.

De acordo com a norma europeia EN 643 com mais de 65 variedades de papel são classificadas e a partir disso são negociados a preços diferentes – dependendo da qualidade.

Na Alemanha o papel reciclado é misturado em vários outros papeis de fabricação tradicional. Já existem tecnologias que conseguem equiparar a qualidade do papel reciclado com o papel tradicional e com isso, seu uso se estende a praticamente todos os setores.Na fabricação de papeis para artigos de higiene e de papel de jornal já é quase impossível aumentar a quantidade de papel reciclado. Para aumentar as taxas de uso de papel reciclado ainda mais, a indústria passou a usar o papel reciclado também para a fabricação papéis com qualidade superior como revistas e alguns jornais.

Segundo a BRACELPA, 45,5% de todos os papéis que circularam no Brasil em 2011 foram encaminhados à reciclagem. Com a aplicação da PNRS e o estimulo a produção e consumo sustentável o Brasil espera repetir o sucesso de reciclagem de alumínio onde já consegue hoje reciclar quase 100% de todo alumínio produzido no país.

O processo de reciclagem de papel é simples e pode ser feito até mesmo artesanalmente. Veja no vídeo um exemplo de um empreendimento de reciclagem de papel.

A melhor maneira de identificar o modelo de negócio ideal com viabilidade econômica é através da elaboração de um Plano de Negócios especifico por profissionais competentes. O Portal Resíduos Sólidos oferece esse serviço para os mais diversos negócios do setor de resíduos. Para saber mais, entre em contato por email ([email protected]).

Consultoria e Visitas Técnicas

O Portal Resíduos Sólidos organiza excursões técnicas para visitar centrais de reciclagem na Europa para grupos com no mínimo 5 pessoas. Entre em contato através do email [email protected] com o seu telefone (fixo e móvel), nome e site da empresa, data prevista para a excursão e se possível, o nome das pessoas que irão participar.

Além disso, oferecemos consultoria para a concepção de projetos como os descritos aqui, desde a sua fase de confecção do Plano de Negócio.

Conheça mais tecnologias de reciclagem clicando em uma das figuras abaixo:

Fonte: Cadernos de Educação Ambiental – Resíduos Sólidos – Governo do Estado de São Paulo

Estimule a reciclagem de papel clicando no botão +1 do Google logo abaixo

Share this:
Tags:

About Gleysson B. Machado

Gleysson B. Machado

Sou especialista em transformar problemas ambientais em negócios sustentáveis. Formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios

  • Instagram
  • LinkedIn
  • Email

1 Comments

  • Amarildo Ferrari
    2014-06-15 21:44

    A Política Nacional dos Resíduos Sólidos é de fundamental importância para o setor da Reciclagem, em especial do papel. Para que realmente tenha um avanço é necessário que governo, empresas e a sociedade façam a sua parte.

Add Comment