RECICLAGEM DE PILHAS E BATERIAS

O que são pilhas e baterias? Quais os tipos primários de Pilhas e Baterias? Quais os tipos secundários de Pilhas e Baterias? O que acontece com pilhas e baterias quando são descartadas incorretamente? Como são recicladas as pilhas e baterias? Quais são os perigos de não reciclar pilhas e baterias? Existe alguma lei sobre reciclagem de pilhas e baterias? Quais materiais podem ser recuperados na reciclagem de pilhas e baterias? Dicas para quem quer trabalhar com reciclagem de pilhas e baterias

COMPARTILHE

Reciclagem de Pilhas e Baterias. Todos os dias, milhares de pilhas e baterias são descartadas, muitas delas de forma inadequada. Este grande volume de resíduos perigosos representa uma ameaça significativa para o meio ambiente e a saúde humana. Pilhas e baterias contêm substâncias tóxicas, como chumbo, cádmio e mercúrio, que quando descartadas incorretamente podem contaminar o solo, a água e o ar. Esses contaminantes podem entrar na cadeia alimentar, afetando os organismos vivos e chegando ao ser humano, podendo causar uma série de problemas de saúde graves, incluindo danos ao sistema nervoso e doenças renais.A gestão adequada de pilhas e baterias usadas é essencial para minimizar o impacto ambiental e os riscos à saúde humana. Isso implica práticas de descarte consciente, como levar esses itens a pontos de coleta designados para reciclagem. Além disso, é necessário incentivar a fabricação de produtos mais sustentáveis, o uso de baterias recarregáveis e a inovação em tecnologias de armazenamento de energia. Políticas públicas robustas e sensibilização da população são fundamentais para alcançar esses objetivos. Desta forma, podemos evitar a contaminação do nosso planeta e preservar a saúde de nossa população.Soluções técnicas para o descarte adequado de pilhas e baterias envolvem, principalmente, a reciclagem. Nesse processo, pilhas e baterias são desmontadas e os materiais tóxicos contidos nelas são recuperados e tratados de forma segura. Materiais como chumbo, zinco, cádmio, níquel e até mesmo metais preciosos podem ser reutilizados em novos produtos, minimizando o desperdício de recursos e a poluição ambiental. Outras soluções incluem a pesquisa e desenvolvimento de baterias ecologicamente corretas, mais duráveis e eficientes, e a ampliação da infraestrutura para coleta de resíduos perigosos, facilitando o acesso da população a pontos de descarte corretos.

O que são pilhas e baterias?

Pilhas e baterias são dispositivos de armazenamento de energia que produzem eletricidade a partir de reações químicas.

Pilhas e baterias são vitais para o funcionamento de inúmeros dispositivos eletrônicos, como telefones celulares, laptops e carros elétricos. Elas permitem que a energia seja armazenada e liberada quando necessário, tornando possível o uso móvel desses dispositivos.
Pilhas e baterias são dispositivos de armazenamento de energia portáteis que convertem energia química em energia elétrica. São compostas de dois eletrodos e um eletrólito, que promovem a reação química necessária para a geração de eletricidade.

Uma pilha é uma fonte de energia elétrica que consiste em uma ou mais células electroquímicas com conexões externas. Cada célula contém dois eletrodos: um ânodo (o polo negativo) e um cátodo (o polo positivo), além de um eletrólito que permite a passagem de íons.

No contexto da sustentabilidade, a extração de ouro de resíduos eletrônicos é uma estratégia revolucionária. Esta prática não só combate o acúmulo de e-waste, mas também garante o reaproveitamento de um recurso valioso. Empresas que se aventuram neste campo podem colher benefícios econômicos significativos, ao mesmo tempo em que promovem uma gestão ambiental mais responsável.
A extração de ouro de resíduos eletrônicos representa um nicho de mercado com potencial imenso. Além de contribuir para a redução do lixo eletrônico, ela permite a reutilização de um recurso valioso, abrindo caminho para inovações em diversos setores, desde eletrônicos até joalheria, e destacando-se como uma oportunidade rentável para empreendedores sustentáveis.
Não precisa investir em galpão e nem fazer faculdade. O comércio de recicláveis é para quem quer ganhar dinheiro rapidamente

Uma bateria, em termos técnicos, é um conjunto de pilhas conectadas em série ou paralelo para fornecer um nível de tensão específico. No entanto, no uso comum, o termo “bateria” é frequentemente usado para descrever uma única célula de energia.

Pilhas e baterias são usadas para alimentar uma ampla variedade de dispositivos, desde pequenos dispositivos portáteis, como relógios e controles remotos, até veículos elétricos e sistemas de armazenamento de energia em grande escala.

As pilhas e baterias, com suas características distintas, tornaram-se um componente integral do cotidiano, dada a dependência da sociedade moderna em dispositivos eletrônicos. Elas são utilizadas para alimentar uma ampla gama de dispositivos, desde os pequenos gadgets domésticos, como controles remotos e brinquedos, até os grandes equipamentos industriais e veículos elétricos.

Quais são os tipos primários de Pilhas e Baterias?

Dentre as inúmeras pilhas e baterias primárias comercializadas, as de destacam no mercado nacional são as secas do tipo zinco-carbono. São produzidas em dimensões padronizadas internacionalmente nas formas cilíndricas, tipo botão e tipo moeda. A preferência pela forma cilíndrica ocorre pela maior facilidade de produção quando comparada com as demais formas. O termo ‘seca’ é utilizado, pois o eletrólito está em estado pastoso, e não líquido.

As pilhas e baterias podem ser diferenciadas umas das outras quanto aos seus componentes químicos. Assim, embora algumas sejam denominadas de forma especial, todas elas podem ser classificadas nos tipos descritos a seguir.

Zinco / Dióxido de Manganês (Leclanché): É a mais comum das baterias primárias. O eletrólito é pastoso, formado pela mistura de cloreto de amônio e cloreto de zinco. O anodo é de zinco metálico, usado na forma de chapa para confecção da caixa externa da pilha. O catodo é um bastão de grafite, geralmente cilíndrico, rodeado por uma mistura em pó de dióxido de manganês e grafite. Contém, em média, 0,01% de Hg, sob a forma de HgCl2, que reage com a superfície interna do invólucro de Zn. Possui também aproximadamente 0,01% de Cd (em massa), além de MnO2, NH4Cl e ZnCl2, que têm propriedades ácidas.

Zinco / Cloreto (Heavy Duty, ou de Alto Desempenho): Produzidas geralmente em formato cilíndrico e em diversos tamanhos, são similares às de zinco / dióxido de manganês. na construção. Porém, sua durabilidade é 40% superior (são mais resistentes a vazamentos e suportam maiores variações de temperatura). Contêm, em média, 0,01% de Hg e 0,01% de Cd em massa.

Zinco / Dióxido de Manganês (Alcalina): É uma concepção modificada da pilha Leclanché, sendo geralmente produzida nos mesmos formatos. Possui alto desempenho (uma única pilha alcalina chega a durar 3,5 vezes mais tempo que as pilhas comuns). Além de possuir maior resistência a altas temperaturas; contudo, seu custo é mais elevado. Dependendo dos padrões de cada país, estas podem conter de 0,5 a 1% em massa de Hg amalgamado com o Zn em pó. Contudo, há países em que as pilhas alcalinas contêm apenas 0,025% de Hg metálico.

Zinco / Óxido de Prata: As pilhas de óxido de prata são, na maioria dos casos, utilizadas em equipamentos de emergência. São produzidas, principalmente, na forma de botão, portanto são leves, pequenas e possuem alto desempenho. O catodo é de óxido de prata, o anodo é de zinco, e o eletrólito é uma solução de hidróxido de sódio ou potássio. Possui cerca de 1% (em massa) de Hg.

Quais são os tipos secundários de Pilhas e Baterias?

Uma pilha ou bateria é considerada secundária (recarregável) quando é capaz de suportar 300 ciclos completos de carga e descarga. Diferentemente das baterias primárias, as baterias secundárias são usadas, principalmente, em aplicações que requerem alta potência. Um exemplo, são os aparelhos sem fio, notebooks, telefones celulares e outros produtos eletrônicos.

A reciclagem de baterias de automóveis é crucial para proteger o meio ambiente. A maioria dessas baterias contém chumbo e ácido sulfúrico, que são materiais perigosos. Reciclar permite que esses materiais sejam recuperados e reutilizados, reduzindo a necessidade de extração de novos recursos.
No processo de reciclagem, baterias de carro são desmontadas, os materiais são separados e tratados. O chumbo é frequentemente derretido e purificado para uso em novas baterias, enquanto o ácido sulfúrico pode ser neutralizado ou transformado em fertilizantes.

As pilhas/baterias secundárias que dominam o mercado nacional são: chumbo-ácido (Pb-ácido), niquel-cádmio (Ni-Cd), níquel-hidreto metálico (Ni-MH) e íons lítio (Li-íon). Um cuidado que devemos ter ao descrever as pilhas secundárias é quanto à denominação dos terminais positivo (catodo) e negativo (anodo). A seguir, estão descritos os princípios de funcionamento de algumas pilhas/baterias secundárias comumente encontradas no mercado nacional.

Com foco na sustentabilidade, a Virapuru incorpora práticas ecológicas em seus planos, alinhando o negócio com preocupações ambientais crescentes.
A Virapuru possui vasta experiência na criação de Planos de Negócios para usinas de reciclagem, garantindo abordagens realistas e eficazes.

Chumbo-ácido (Pb-ácido): As pilhas / baterias chumbo-ácido são muito utilizadas, tendo como principal vantagem em relação às demais o baixo custo. Os principais tipos de pilhas e baterias chumbo-ácido são:

  • automotivas – usadas em veículos em geral, para alimentar os sistemas de partida, iluminação e ignição;
  • industriais – usadas para tracionar motores de veículos elétricos e em serviços que não podem ter o fornecimento de energia elétrica interrompido (companhias telefônicas, hospitais, etc…);
  • seladas – de menor tamanho, usadas para alimentar no-breaks, computadores, luzes de emergência, etc.

Uma pilha / bateria chumbo-ácido é composta por anodo e catodo de chumbo esponjoso. O eletrólito é composto por 35 % de ácido sulfúrico e 65 % de água destilada. Já o contêiner geralmente é de plástico (polipropileno e/ou polietileno), tendo formato cilíndrico ou tetragonal.Níquel-cádmio (Ni-Cd): As baterias de níquel-cádmio apresentam uma tecnologia muito difundida de baterias recarregáveis portáteis. São econômicas, têm excelentes características técnicas e longa vida útil, funcionando mesmo em condições extremas de temperatura. Possuem um eletrodo de cádmio (anodo) e outro de óxido-hidróxido de níquel NiO(OH) (catodo); o eletrólito é de hidróxido de potássio e o recipiente externo, geralmente, é de aço inoxidável.Níquel-hidreto metálico (Ni-MH): Estas possuem características operacionais muito semelhantes às de níquel-cádmio. São baterias recarregáveis portáteis, geralmente produzidas nos formatos cilíndrico e prismático. O hidreto metálico é composto por uma liga metálica que tem grande capacidade de absorção de hidrogênio e atua como anodo. Esta liga metálica pode ser composta por: vanádio, titânio, nióbio, cromo, estanho, alumínio, cobalto, lantânio e seus compostos, entre outros. O catodo é de hidróxido de níquel (Ni(OH)2) e o eletrólito de hidróxido de potássio (KOH). O anodo e catodo estão na forma de filmes flexíveis enrolados e separados por filmes de material fibroso (tecido de fibras fundidas de poliamida ou polipropileno) que retém o eletrólito.Íons Lítio (Li-íon): Possuem um alto potencial eletroquímico e são constituídas do mais leve dos metais. Estas baterias são recarregáveis portáteis e têm melhor desempenho que as baterias de níquel-cádmio. São largamente utilizadas em notebooks, telefones celulares, equipamentos eletrônicos portáteis, câmeras de vídeo, etc.No anodo, o grafite é o material usado com maior frequência. Ele é capaz de intercalar reversivelmente os íons lítio entre as camadas de carbono, sem alterar, significativamente, a estrutura. O catodo contém, geralmente, óxido de cobalto e lítio – LiCoO2. O contêiner é, em geral, de alumínio ou aço inoxidável. Esta bateria é também uma das principais apostas da indústria automobilística para uma nova geração de carros.

Como é realizada a reciclagem de Pilhas e Baterias?

O descarte das pilhas e baterias nos resíduos sólidos domiciliares vem sendo restringido em diversos países. No Brasil, este descarte é regulamentado pela Resolução CONAMA 401, de 2008. Esta resolução estabelece os limites máximos de chumbo, cádmio e mercúrio para pilhas e baterias comercializadas no território nacional. A mesma ainda define os critérios e padrões para o seu gerenciamento ambientalmente adequado.

Como alternativa ao descarte, há os processos de reciclagem dos metais e outros materiais presentes nas pilhas e baterias. As tecnologias para a reciclagem de pilhas e baterias começaram a ser pesquisadas e desenvolvidas na década de 80. Aatualmente, são três as tecnologias aplicadas na reciclagem de pilhas e baterias:

  1. mineralúrgica, baseada em operações de tratamento de minérios;
  2. hidrometalúrgica;
  3. pirometalúrgica.

Estes processos podem ser específicos para reciclagem de pilhas e baterias. Mas também podem ser recicladas juntamente com outros produtos, em processos mistos.

a) Mineralúrgica

A reciclagem mineralúrgica envolve somente processos físicos de separação ou concentração dos materiais que compõem as baterias. Esta tecnologia é aplicada, principalmente para baterias industriais de grande porte, sendo os materiais posteriormente recuperados por outros processos.A reciclagem mineralúrgica se inicia pela remoção do eletrólito da bateria, quando este é líquido. Em seguida, é realizada a desmontagem do invólucro da bateria para a remoção de plásticos e isolantes. Quando possível, retira-se também os eletrodos e placas. Assim, mesmo sendo limitada quanto aos resultados, esta tecnologia pode baratear, substancialmente, o custo dos processos subsequentes.

b) Hidrometalúrgica

A reciclagem pela tecnologia hidrometalúrgica, consiste na dissolução ácida ou básica dos metais existentes nas pilhas e baterias, previamente moídas. Uma vez em solução, os metais podem ser recuperados por:

  • precipitação – variando-se o pH da solução;
  • extração por solventes – aplicando-se diferentes solventes, que se ligam com íons metálicos específicos, separando-os da solução. Posteriormente, recuperam-se os metais por eletrólise ou por precipitação.

Em muitos casos, o mercúrio é removido previamente por aquecimento. Neste processo é utilizado menor quantidade de energia quando comparado ao processo pirometalúrgico. Contudo, ele gera resíduos que precisam ser tratados posteriormente.

c) Pirometalúrgica

Esta tecnologia consiste na aplicação de altas temperaturas para a recuperação dos metais das pilhas e baterias. Posteriormente ao tratamento de minérios, onde são separados os componentes metálicos e não metálicos. Os componentes metálicos são aquecidos a temperaturas específicas (superiores a 1000ºC). Nesse processo ocorre a destilação de mercúrio, zinco, cádmio e outros – posteriormente, estes são condensados. O resultado é a obtenção de materiais com alto grau de pureza. A vantagem desta tecnologia em relação à hidrometalúrgica está no fato de não gerar resíduos sólidos perigosos. A desvantagem é o alto consumo de energia, uma vez que as temperaturas do processo variam entre 800 e 1500ºC.

Quais são os perigos de não reciclar pilhas e baterias? 

Não reciclar pilhas e baterias pode ter sérias consequências para o meio ambiente e para a saúde humana. A seguir, apresento alguns dos perigos:

  • Poluição do Solo: As pilhas e baterias contêm metais pesados como chumbo, mercúrio, cádmio, entre outros. Quando descartadas incorretamente, essas substâncias podem vazar, contaminando o solo.
  • Contaminação da Água: Os metais pesados das pilhas e baterias podem infiltrar-se nos lençóis freáticos e contaminar os reservatórios de água potável, causando problemas de saúde para humanos e animais e danificando ecossistemas aquáticos.
  • Poluição do Ar: Se queimadas, as pilhas e baterias podem liberar toxinas no ar, contribuindo para a poluição atmosférica e causando problemas respiratórios em humanos e animais.
  • Riscos à Saúde: A exposição a metais pesados pode levar a uma variedade de problemas de saúde, incluindo danos ao sistema nervoso e ao cérebro, problemas renais, câncer e outras doenças graves.
  • Desperdício de Recursos: As pilhas e baterias contêm materiais que podem ser reciclados e reutilizados, reduzindo a necessidade de mineração e produção de novos materiais. Ao não reciclar, esses recursos valiosos são desperdiçados.

Por esses motivos, é fundamental descartar corretamente as pilhas e baterias e, sempre que possível, reciclá-las. Muitos municípios e empresas oferecem programas de reciclagem que aceitam pilhas e baterias usadas.

Quais materiais podem ser recuperados na reciclagem de pilhas e baterias?

A reciclagem de pilhas e baterias permite a recuperação de diversos materiais valiosos. Os materiais exatos recuperados dependem do tipo de bateria, mas geralmente incluem:

  • Metais: O chumbo das baterias de chumbo-ácido (como as baterias de carro) pode ser completamente reciclado e usado para fazer novas baterias. Da mesma forma, o níquel, cobalto e lítio das baterias de íons de lítio (como as encontradas em telefones celulares e laptops) podem ser recuperados e reutilizados. As baterias de níquel-cádmio também contêm cádmio recuperável.
  • Plásticos: Os plásticos das caixas das baterias também podem ser reciclados e usados para fazer novos produtos de plástico.
  • Ácido Sulfúrico: Nas baterias de chumbo-ácido, o ácido sulfúrico pode ser neutralizado e transformado em água ou pode ser convertido em sulfato de sódio, um composto branco que pode ser usado em detergentes, vidro e têxteis.
  • Óxido de Zinco: No caso de pilhas alcalinas, o óxido de zinco residual pode ser usado na produção de pneus ou cerâmicas.

Essas recuperações de materiais não apenas reduzem o desperdício e economizam recursos, mas também impedem a liberação de substâncias tóxicas no meio ambiente. No entanto, a reciclagem de pilhas e baterias deve ser realizada em instalações adequadas para lidar com materiais potencialmente perigosos.

Existe alguma lei sobre reciclagem de pilhas e baterias? 

Sim, a gestão de pilhas e baterias é regulada por leis em vários países, inclusive no Brasil. No Brasil, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), estabelecida pela Lei Federal nº 12.305/2010, define diretrizes para a gestão integrada e o gerenciamento de resíduos sólidos, incluindo a disposição final de pilhas e baterias.

Reciclar diferentes tipos de pilhas e baterias é fundamental para gerir eficientemente os resíduos eletrônicos. Cada tipo contém materiais valiosos e potencialmente perigosos que, se manuseados corretamente, podem ser recuperados e reutilizados, minimizando a exploração de recursos naturais e protegendo o meio ambiente.
Devido à rápida evolução tecnológica, os resíduos eletrônicos estão crescendo exponencialmente. Reciclar pilhas e baterias de diversos equipamentos eletrônicos não só alivia a pressão sobre os aterros sanitários, mas também reduz a emissão de substâncias tóxicas que podem causar danos à saúde humana e ao meio ambiente.

A lei estabelece a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, do fabricante ao consumidor final. Isso inclui a logística reversa, um conjunto de ações para viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada.

No caso de pilhas e baterias, fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes são obrigados a estruturar e implementar sistemas de logística reversa, mediante retorno dos produtos após o uso pelo consumidor. As pilhas e baterias devem ser recolhidas e encaminhadas para processos de reciclagem ou destinação final adequada para evitar danos ao meio ambiente e à saúde humana.

Contudo, a efetiva implementação dessas leis varia e depende do envolvimento ativo de todos os stakeholders, incluindo governos, indústria, consumidores e organizações de reciclagem. É sempre aconselhável que os consumidores verifiquem a regulamentação local para o descarte correto de pilhas e baterias.

Dicas para quem quer trabalhar com reciclagem de pilhas e baterias

  • Eduque-se: Comece aprendendo tudo o que puder sobre pilhas e baterias, incluindo os diferentes tipos e como são reciclados. Conhecimento sobre química, materiais e processos de reciclagem pode ser útil.
  • Cumpra as Regulamentações: Conheça as leis e regulamentações locais, nacionais e internacionais relativas ao manuseio e reciclagem de pilhas e baterias. Isso é crucial para evitar multas e garantir que sua operação seja legal e segura.
  • Segurança em Primeiro Lugar: Assegure-se de que você e seus funcionários estejam adequadamente protegidos contra os materiais potencialmente perigosos contidos nas pilhas e baterias. Invista em equipamento de segurança adequado e treinamento regular.
  • Invista em Equipamentos Adequados: A reciclagem de pilhas e baterias requer equipamentos especializados. Certifique-se de que você possui o necessário para desmontar, separar e processar os materiais de forma segura e eficiente.
  • Crie Parcerias: Faça parcerias com fabricantes de eletrônicos, varejistas e programas de coleta seletiva para obter um fluxo constante de pilhas e baterias para reciclar.
  • Ofereça um Serviço de Coleta: Ofereça um serviço de coleta para empresas e residências. Isso não só pode aumentar a quantidade de material que você recebe, mas também pode tornar mais fácil para as pessoas reciclarem.
  • Aprenda a Maximizar a Recuperação de Materiais: Diferentes métodos de processamento podem resultar em diferentes níveis de recuperação de materiais. Aprenda a maximizar a recuperação para aumentar a rentabilidade de sua operação.
  • Continue Inovando: A indústria de reciclagem está sempre mudando à medida que novas tecnologias e métodos são desenvolvidos. Mantenha-se atualizado sobre as últimas inovações para garantir que sua operação continue competitiva.
  • Promova seu Negócio: Faça um bom marketing do seu negócio. Explique aos clientes potenciais por que a reciclagem de pilhas e baterias é importante e como você pode ajudá-los a fazer isso de forma responsável.
Descubra o mundo da gestão de resíduos com a VirapuruFlix! Acesse cursos e mentorias exclusivos sobre reciclagem, tratamento de resíduos e sustentabilidade. Ideal para empresários e ambientalistas que buscam inovar e liderar no mercado verde.
Amplie seu conhecimento em resíduos sólidos com a VirapuruFlix. Com conteúdo técnico avançado, é perfeito para acadêmicos e profissionais do setor ambiental. Assine e mantenha-se atualizado com as melhores práticas e tecnologias!
Picture of Gleysson B. Machado

Gleysson B. Machado

Sou especialista em transformar problemas ambientais em negócios sustentáveis. Formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios
Agora é a sua vez. Você acha que consegue contribuir com o conteúdo acima? Deixe seu comentário!

NOSSOS CURSOS

LEIA TAMBÉM

Sustentabilidade
Gleysson B. Machado

MODELOS DE NEGÓCIO COM USINA DE RECICLAGEM MÓVEL DE ENTULHOS

O que é e como funciona a reciclagem de entulhos? Como ganhar dinheiro com reciclagem de entulhos? O que é uma usina de reciclagem móvel de entulho? O que é uma Usina Móvel com uso permanente na Recicladora de RCC? O que é uma Usina Móvel com uso temporário em diferentes recicladoras de RCC? Quais as vantagens de usinas de reciclagem móvel de entulhos? Como operar várias recicladoras e uma Usina Móvel? Que tipo de conhecimento preciso para trabalhar com reciclagem de entulhos?

veja Mais »
Assim como a borboleta passa por diferentes estágios de desenvolvimento, os produtos têm um ciclo de vida desde sua concepção até a disposição final. É importante considerar a sustentabilidade em todas as fases, desde a escolha de materiais até o descarte correto, para preservar o meio ambiente.
Gerenciamento de Resíduos
Gleysson B. Machado

CICLO DE VIDA DO PRODUTO

O que é o ciclo de vida do produto conforme definido na Lei 12.305/2010? Quais são os princípios e objetivos do ciclo de vida do produto na gestão de resíduos sólidos? Quais são as etapas específicas do ciclo de vida do produto mencionadas na legislação? Como a logística reversa está relacionada ao ciclo de vida do produto na Lei 12.305/2010? Como a lei aborda a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida do produto?

veja Mais »