fbpx
dezembro 10, 2016
||||| 1 |||||
3739

Conceitos e Definições na área de Resíduos Sólidos

Hoje, sabe-se que um profissional que utiliza termos da área e de forma correta, tem mais respaldo no mercado de trabalho. Há alguns conceitos e definições na área de resíduos sólidos e a problemática que a envolve. Muitos deles aparentam ter o mesmo significado. Por isso é importante estudá-los e entender o real conceito de cada.

Conceitos e Definições

Destinação de Resíduos Sólidos Ambiental Adequada: É o destino dado ao resíduos. Seja um tratamento, reutilização, reciclagem ou outras destinações admitidas pelos órgãos competentes do SISNAMA;

Disposição Final de Resíduos Sólidos: Refere-se aos resíduos que são considerados rejeitos. São dispostos em pontos de acúmulo, lixões, aterros controlados ou aterros sanitários. Pela lei 12.305/10, a forma ambientalmente adequada, é hoje, apenas o aterro sanitário;

Gestão Integrada de Resíduos: Está a nível municipal, onde o município ou vários municípios, em comum acordo, realizam o plano de gestão dos resíduos. Referindo-se assim aos resíduos de modo geral do município;

– Gerenciamento de resíduos: Está a nível empresarial e restringe-se aos resíduos gerados por elas;

Efeito estufa: é um processo físico. Ocorre quando a radiação no espectro visível penetra na atmosfera, mas alguns gases impedem a saída na forma de radiação no espectro infravermelho. Quando essa radiação é impedida de sair, ela se dissipa em forma de calor.  Esse é um processo natural que ocorre no Planeta Terra, para manter seu equilíbrio radioativo. Contudo, alguns gases que vêm sendo lançados na atmosfera têm potencializado esse efeito. Provocando assim, o aumento das temperaturas do planeta (como o metano);

Economia circular: Na economia há um diagrama que representa o ciclo da economia. Durante anos, esse ciclo considerava apenas empresas, as famílias, o mercado de bens e serviços e o mercado de fatores de produção. Com a maior preocupação com os recursos naturais e as mudanças que vem acontecendo nos últimos anos, economistas perceberam as falhas que haviam em seu sistema. Seriam a inclusão da entrada de matéria-prima e a saída ou reintrodução de resíduos no processo;

Professor Amarildo Ferrari

Você aprenderá sobre A Política Nacional dos Resíduos Sólidos, Elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS), Acondicionamento e tipos de Resíduos, Tratamento e disposição final dos Resíduos, A logística reversa e a Situação dos resíduos sólidos no Brasil

Compostagem: Matéria orgânica é toda matéria com grande quantidade de carbono em sua composição. Sempre deriva de organismos vivos. Sua decomposição é realizada por microrganismos aeróbios em ambiente favorável (nutrientes, oxigênio, temperatura e umidade). Sem esses quesitos devidamente equilibrados, o processo pode ser mais lento ou nem mesmo ocorrer de forma adequada. A compostagem é uma mistura desses materiais orgânicos, como: restos de comida, resíduos de poda, estrume e etc. Dependendo do tipo de matéria utilizada para a compostagem e do clima, sua decomposição pode ser mais acelerada. Esse material pode ser utilizado como fertilizante, e por ser natural, esse processo não agride o solo, nem para a vegetação;

Biodigestor: É uma tecnologia adotada para o aceleramento do processo de decomposição da matéria orgânica realizada em meio anaeróbio, Tem como produto final o biogás e biofertilizantes. Existem diversas tecnologias de biodigestor, então a quantidade de biogás gerada vai depender da tecnologia escolhida. Depende também do material utilizado como dejetos de animais, resíduos sólidos orgânicos urbanos e resíduos da agricultura. Para a realização de um biodigestor é necessário conhecer alguns fatores. São esses: as condições de energia de um município, a viabilidade econômica, os tipos de resíduos gerados no local, através de um plano de negócios;

Biogás: São os gases produzidos a partir da decomposição da matéria orgânica em estado anaeróbio. O metano (o gás liberado em maior quantidade por esta decomposição) pode afetar a camada de ozônio de forma muito mais negativa do que o gás carbônico;

Sistema de Coleta Mista: É a coleta de resíduos heterogêneos, ou seja, a coleta não distingue o tipo de resíduo. Esse sistema é comum em todo o Brasil e dificulta o processo de reciclagem. Em alguns países da Europa já existe a coleta seletiva, onde os resíduos são coletadas já pré-segregados;

Gestão e gerenciamento de Resíduos

É importante compreender que na gestão e no gerenciamento de resíduos sólidos existem prioridades. De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS (Lei 12.305/10) a primeira ordem é a não geração de resíduos. Quando não for possível, realiza-se a redução. Depois a reutilização. Posteriormente o tratamento dos resíduos. E em último caso, a disposição final.

Dando uma pequena ênfase a reciclagem, esse termo chega muitas vezes a ser mal empregado. No Brasil, a reciclagem é a realização algum processo de modificação física, fisico-química ou biológica no resíduo. Diferente da Alemanha que significa a reintrodução do resíduo na cadeia produtiva, não importa a forma que isso ocorre.

Esse padrão deve ser seguido através da Responsabilidade Compartilhada. Princípio que obriga o Poder Público, Setor Privado e Sociedade Civil a gerenciar os resíduos e recompensar os que se dispõe a combater a geração.

É necessário um estudo da cadeia produtiva para que se saiba como não gerar, reutilizar, reduzir, reciclar e/ou tratar  de forma ecologicamente correta e economicamente viável.

Share this:
Tags:

About Renata Leite

Renata Leite

  • Email