Maio 5, 2013
1
||||| 0 |||||
635

Usina de queima de lixo – Incineradores ou Usinas Verdes

Os incineradores de lixo recebem vários nomes de acordo com a resistência popular onde as mesmas são construídas. Os nomes mais comuns são Usinas de queima de lixo, termovalorizadores e ultimamente no Brasil também tem se adotado o nome Usinas Verdes, tentado-se assim dar a impressão de se tratar de uma solução ambientalmente correta.

Para se compreender um pouco mais sobre essas usinas é necessário saber um pouco sobre sua história. Quando as mesmas foram desenvolvidas a partir da década de 60, a consciência ambiental era outra. Não havia a definição sobre economia circular, de modo que nossa sociedade extraia, consumia e depois depositava os resíduos sólidos na natureza sem os mínimos cuidados. Os incineradores de lixo apareceram como uma solução ambientalmente correta na medida que faziam o aproveitamento energético dos resíduos, ou seja, através da queima se podia gerar energia elétrica com o processo de uma termelétrica. Toda a tecnologia para isso já existia e pode ser adaptada das usinas de carvão e outras termelétrica. Ao invés de usarem algum combustível fóssil, usavam o lixo. Como o lixo é um material heterogêneo, muitas vezes quando este se encontra muito úmido, se faz necessário usar material com maior poder de queima, como madeira ou gás natural, para manter a temperatura constante nas caldeiras. Manter a temperatura constante é essencial para o correto funcionamento de uma termelétrica.

Hoje com o maior entendimento sobre economia circular, entende-se que queimar “lixo” significa queimar recursos naturais que poderiam ser reaproveitados. A partir disso, demos uma nova definição para a palavra lixo. Hoje entendemos que o que chamamos de lixo na verdade nada mais é que resíduos sólidos. Além do mais, ao se reaproveitar os resíduos sólidos geramos emprego e renda para a população em geral. Cada vez mais aprimoramos tecnologias para esse reaproveitamento e dessa forma também temos um desenvolvimento intelectual muito grande. No final, todos ganham com o reaproveitamento dos resíduos.

O problema é que o que é solução para alguns é problema para outros. Nos resíduos sólidos os materiais com maior poder de queima são justamente os materiais recicláveis ou reutilizáveis. Ao retirá-los das centrais de incineração, retiramos poder de queima dessas centrais que precisam então substituir esses resíduos por combustíveis e assim manter a temperatura ideal para a qual a central foi construída. Com isso, quanto menos material reciclável nas centrais, mais combustível precisa ser utilizado, tornando muitas vezes a operação de uma central de incineração economicamente inviável. Dessa forma, nas milhares de centrais de incineração construídas desde a década de 60 existe uma luta incessante pelos resíduos recicláveis. Nos últimos tempos percebemos uma tendencia cada vez maior a favor da reciclagem.

Como na época da construção essa prática foi fortemente incentivada por todos os setores da sociedade e várias empresas investiram milhões de dólares na construção dessas centrais, não existe um culpado nisso tudo. O que existe é apenas a maturidade alcançada pela sociedade e o aprendizado em melhores práticas sociais e ambientais. Em países desenvolvidos praticamente não se constrói mais nenhuma central de incineração e as que existem precisam ser subsidiadas com taxas de lixo e incentivos fiscais.

Vídeo Aulas com conteúdo exclusivo. Faça sua assinatura agora mesmo.

A situação no Brasil

Cada vez mais no Brasil aparecerem empresas se propondo a construir as chamadas Usinas Verdes. Na verdade esse é o nome mais moderno que essas empresas acharam para as Usinas de Queima de Lixo ou também as Usinas de incineração de lixo.

Entendendo que lixo não existe e que estamos na verdade falando de resíduos sólidos, o que essas usinas na verdade fazem é a Queima de Resíduos Sólidos. Dependendo de onde e como forem implementadas, podem tirar empregos de milhares de catadores de lixo.

Veja o vídeo abaixo e entenda mais sobre o assunto.

Continue seu estudo sobre Gestão e Gerenciamento de resíduos sólidos clicando em uma das figuras do fluxograma abaixo.

#gliffydiagram(4624207,l)#

Gostou do tópico? clique no botão +1 do google logo abaixo

 

Como aprofundar o conhecimento em Resíduos Sólidos?

Você é um entusiasta das questões ambientais e se orgulharia se o seu trabalho gerasse emprego e renda. Além disso, seria muito bom se fosse uma atividade lucrativa. Não tenha dúvidas. A Área de resíduos é a área onde você pode explorar o seu potencial e defender uma boa causa. Para atuar no setor de resíduos você precisa ter conhecimento de causa. A Área VIP do Portal Resíduos Sólidos oferece conteúdo de altíssima qualidade de forma exclusiva e a baixíssimo custo. É hoje a forma mais barata de chegar ao conhecimento técnico de profissionais consolidados. Você é o seu maior projeto na vida. Invista no seu autodesenvolvimento.  
Share this:
Tags:

About gleysson

gleysson

Sou especialista em transformar problemas ambientais em negócios sustentáveis. Formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios

  • LinkedIn
  • Email

1 Comments

  • Jueinah
    2013-08-19 02:45

    Parabe9ns aos palestrantes pela releve2ncia do tema deatbido. Concordo que o Brasil ainda pratica a sua geste3o de resedduos como no se9culo XiX, salvo algumas excee7f5es. A PNRS levou mais de 20 anos para ser criada. Esse processo levare1 mais quantos anos para ser de fato implantado? O governo precisa dar subseddio para que os municedpios consigam gerenciar e tratar adequadamente seus resedduos. Sem esse apoio, corremos o risco da Lei ficar sf3 no papel. c9rika Tavares.

Add Comment